quinta-feira, dezembro 16

18-2010: POSTAL DE NATAL

Queria deixar aqui um mensagem de Natal, tão doce como as filhozes, os bronhuelos ou as fatias paridas que nesta quadra vão à nossa mesa. Mas como o país, num período em que o consumismo não distingue racionamento de açambarcamento, vive por estes dias num déficite de açúcar, deixo este poema de António Gedeão para adoçar o espírito natalício:


Dia de Natal

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.
É dia de pensar nos outros - coitadinhos - nos que padecem,
de lhes dar-mos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.
Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos, entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor anuncia o melhor dos detergentes.
De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?

Não seja estúpido!
Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.
Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,

com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico,
de metal, de vidro e de cerâmica.
Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.
A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra - louvado seja o Senhor! -
o que nunca tinha pensado comprar.
Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.
Cada menino abre um olhinho na noite incerta para ver se a aurora já está desperta.
De manhãzinha salta da cama, corre à cozinha mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!
Na branda macieza da matutina luz aguarda-o a surpresa do Menino Jesus.
Jesus, doce Jesus, o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho do Pedrinho uma metralhadora.
Que alegria reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas a caírem no chão como se fossem mortas:
tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá fingiam que caíam crivados de balas.
Dia de Confraternização Universal, dia de Amor, de Paz, de Felicidade, de Sonhos e Venturas.

É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.

15 comentários:

Joaquina Salgueiro S. C. disse...

« Vezinho» Chanesco , é sempre bom recordar António Gedeão ! Como ele consegue dizer tudo sobre o Natal dos nossos tempos ... Está lá tudo mesmo...
Boas festas e que dos céus ,se não estiverem demasiado fartos de nós , nos venham alguma esperança e força para seguir em frente .
Bom Natal

Fátima Pereira Stocker disse...

Meu caro Chanesco

É notável este poema do Gedeão, que integra a minha antologia pessoal de textos natalícios. É bom que alguém nos faça olhar para o absurdo do nosso comportamento, sobretudo quando o faz com a ironia amarga do "Hoje é dia de ser bom".

Um grande abraço e muito boas-festas para si e para os seus.

Tozé Franco disse...

Ola.
Grande texto.
Um santo Natal para si e para os seus.

Cata- Vento disse...

"Dia de Confraternização Universal, dia de Amor, de Paz, de Felicidade, de Sonhos e Venturas."

Que o não esqueçamos e que o Deus Menino não deixe que se extingam as sementes benignas nos nossos corações.

Bem-haja, amigo Chanesco!

Um Santo Natal para si e familiares

Joaquina Salgueiro S: C. disse...

«Vezinho Tchanesco »
votos sinceros de um Ano de 2011 cheio da realização de tudo aquilo que mais desejar , para si e para os seus .
Permita que deixe também votos de um Bom Ano Novo a todos os que visitam o seu blog.
Feliz Ano Novo
Xquina

Fátima Pereira Stocker disse...

Meu caro Chanesco

Grata pelos desejos de ano bom que me deixou e que quero retribuir com grande carinho.

Anabela Jardim disse...

Belo texto! Estou aqui pela segunda vez. Acho esses posts sobre tradições um tanto quanto interessantes. Já fui muito consumista, até que me deparei com um amontoado de coisas inúteis à minha sobrevivência e passei a olhar mais para o próximo e para a simplicidade da vida. Um Feliz 2011 para você e todos os portugueses, mesmo num momento de economia amarga.

Meg disse...

Chanesco, meu amigo,
Perdi-me de si, nestas teias da net,e deste blog que sempre me proporcionou bons momentos de leitura sobre tradições e saberes de que sou uma perfeita ignorante.
Vim de longe, do lado de lá do mar, e deleito-me com o que aqui se conta com tanta arte,
Espero não voltar a perdê-lo neste ano que agora começa e que desejo, lhe traga tudo o que mais desejar, principalmente muita saúde.

Um grande abraço

Anónimo disse...

Meu Caro Chanesco: eu também me perdi, por aqui e ali! Estive em Toulões, em Outubro (T. Monfortinho), até perguntei por ti, na Junta. Por estranha coincidência, tínhamos estado no café e - como sempre gosto de trocar impressões com gentes das terras - falado com o que viemos a saber depois, era o teu Pai! Conversámos da vida e do trabalho, da dureza do "antigamente".
Ainda bem que aqui permaneces para dar testemunho do nosso "interior".
O caminho "rural" de Toulões/aldeia de Monfortinho é um lugar que me encanta, nos fins de tarde em que a luz parece uma despedida doce.
Desta vez, as voltas que demos, incluíram Las Hurdes, Idanha a Velha bem vista, Póvoa da Atalaia (sonhos meus, de Buñuel e de Eugénio) e Mérida
Um abraço do Porto, desejo um ano sempre Melhor para ti e os teus.
da bettips

Eddy Nelson disse...

Amigo Armando, grande escolha!!! Já tentei várias vezes deixar-te um cumprimento, mas deu sempre erro. desta, parece que o problema foi resolvido.

deixo-te um renovado cumprimento e votos de um prospero ano novo.

abraço

Cata- Vento disse...

E está a chegar o Carnaval, caro Chanesco. Aguardo um texto sobre as tradições da sua terra que tão bem conservadas vão sendo pelos seus naturais e habitantes.

Bem-haja!

Um abraço fraterno

Idanhense sonhadora disse...

«Vezinho » Chanesco , então muito trabalho ? Tudo bem consigo ? Quando é que vem dar uma ajuda das suas , na conservação das tradições do nosso concelho?
«vegitas da Xquina»

Fátima Pereira Stocker disse...

Meu caro Chanesco

Valha-me Deus, então estamos na Quaresma e ainda nos deseja feliz Natal? Vá lá, roube uns minutinhos dos afazeres e venha conversar connosco!

Não me leve a mal, sabe bem que é a consideração que tenho por si a falar.

Um abraço

Idanhense sonhadora disse...

Amigo Chanesco ,está tudo bem consigo ? Diga algo ...
Muntas vegitas...

Idanhense sonhadora disse...

Espero que tenha tido uma Boa Páscoa ,na companhia dos seus
Quina