terça-feira, dezembro 11

23-2007: O Madeiro do Natal


Na quadra natalícia, por estas terras da raia perdida cujas tradições valorizam o nosso legado cultural, "aldeia sem madeiro no adro é como um presépio sem menino Jesus".
Era neste pressuposto que todos os anos na noite de 7 e no dia 8 de Dezembro, os habilitados a mancebos viviam uma azáfama de formigueiro para fazer chegar ao adro o maior tronco de azinheiro que houvesse no montado.
Era previamente escolhido e solicitado ao seu proprietário que, também por uma questão honra, orgulho e muitas vezes uma ponta de vaidade, raramente se negava à oferta.
Era uma noite de trabalho. Com os enxadões e o garrafão a serem elementos preponderantes nesta tarefa, até chegar a hora de, com um calabre engalhado nos ramos, por o azinheiro de cambecas, não havia descanso.
Só então era feito um intervalo para retemperar e recuperar do esforço, em redor do enorme lazarete, com umas presas assadas directamente em cima das brazas, ou na ponta de um espeto improvisado no momento.
E se os enxadões, esses, eram postos em descanso, o garrafão continuava activo e a cumprir o seu papel de não deixar arrefecer os ânimos. É que por esta altura do ano já um barbeiro sem navalha se apronta a escanhoar rente a penugem a estes imberbes de rosto desprotegido.
Só ao romper do dia se regressava ao trabalho para o madeiro ser carregado e transportado até ao adro da Igreja.



Com uma paragem técnica à entrada do povo, para as raparigas (noivas ou faladas) emprestarem os seus lenços mais garridos aos rapazes, que os atavam ao tronco, cruzando o peito. Enfeitava-se a canga e os cornos das vacas com laranjas (desde há uns anos utilizam-se tractores) e cobriam-se ramos de azinheiro, trazidos para o efeito, com colchas floreadas, sendo depois erguidos como estandartes enquanto a carrada dava a volta pelas ruas do povo e, por entre enfeites, toques de concertina e cantares ao Menino Jesus, davam-se vivas ao Madeiro:
"Viva o Madeiro do Natal e a junta do t’ João Bombarral"
"Viva a malta do Madeiro e o carro do t’ Zé Monteiro"
"Viva o tocador"
"Viva o garrafão"
"Viva o Madeiro, que ainda está inteiro".

Mas em Toulões esta tradição já não é o que era.
Por mor do despovoamento agravado dia a dia e pela consequente falta de cachopada, desde há uns anos que o Madeiro vem sendo arrancado pelos homens residentes, sempre com a ameaça de a tradição um dia acabar de vez.
Nesta eminência, e alterando radicalmente a tradição, antecipando-se mesmo à intenção do governo em tornar o recenseamento militar extensivo às raparigas, foi a filha da Natércia, que sem quintos, organizou sozinha o arranque do madeiro de há dois ou três anos, por ter sido a única criança nascida em Toulões, a atingir a idade de ir às sortes.
E a ameaça cumpriu-se! Neste Natal não houve Madeiro em Toulões.
Nas vésperas da noite do caramelo, adaptando as tradições antigas aos tempos modernos, graças à facilidade em agora se poder dispor de maquinaria pesada, na urgência lá se arranjou um azinheiro e uma sobreira velha, conseguindo garantir-se o calor necessário para aquecer o Menino na noite da consoada e também, diga-se, para não deixar a aldeia em pouco (é que com isto das rivalidades entre aldeias era importante manter a dignidade).
Apesar deste esforço de última hora, o Madeiro propriamente dito, com todo o simbolismo do ritual do arranque daquele tronco, que ditava a passagem à idade adulta de todos os jovens incumbidos de o colocar no adro, nunca podendo ter um perímetro inferior ao medido pela bitola de duas braçadas de homem, esse, ficou no montado.
Sem gente a nascer nas aldeias, vão-se as tradições.
Foi pertinente a preocupação manifestada por Sua Excelência o Presidente da República para com a baixa taxa de natalidade por estas bandas, numa recente visita oficial que fez pelo vizinho distrito da Guarda.
Mas sabendo que a imensidão da vontade dos políticos é proporcional à imensidão de votos que os possam eleger, é certo e sabido que não há vontade que aqui chegue para por cá fixar as pessoas.
Carlos Drummond de Andrade, numa passagem do seu poema "Reverência ao destino…", dizia
:
… FÁCIL, é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação
DIFÍCIL é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem para fazer ….

Valha-nos o Natal para todos os anos, por aqui, irmos podendo assistir à alegria que é o nascimento de uma criança, mesmo se o feliz acontecimento ocorre numa manjedoura em vez de numa ambulância dos bombeiros a caminho da maternidade.
A breve trecho, iremos ter o adro de Toulões vazio de Madeiro e até, sabe-se lá, o presépio sem Menino Jesus.

Nota:
Se em Toulões e outras aldeias raianas a tendência é para que a tradição se extinga, outras terras há em que ela parece estar cada vez mais enraizada.

Veja-se o caso de Penamacor onde todos os anos o madeiro é sempre maior que o do ano anterior(a foto é do Natal de 2006, 2 dias depois de ter sido ateado), chegando a roçar o exagero e a apregoar-se ser este o maior Madeiro do país.(ver aqui o madeiro de 2007).
Tradição à parte, o que parece ganhar-se em grandiosidade e ostentação, parece perde-se em convicção pelos valores do Natal.

Já em Proença-a-Velha, uma vizinha aldeia do concelho de Idanha-a-Nova, são mais comedidos. O Madeiro é mais pequeno, mas toda a população colabora e se empenha para manter bem viva a sua tradição, tornando este evento uma atracção, tanto para os da terra como para forasteiros.

A prová-lo está este livro da autoria de João Mugeiro e João Adolfo Geraldes, editado pela Magno Edições e pela Proençal (ver link ao lado - Proença-a-velha), onde é feita uma excelente descrição dos rituais do Madeiro ao longo dos tempos e em que cerca de metade desse livro está ilustrado com fotografias da autoria de Marcin Górski, tiradas à guisa de reportagem ao Madeiro de 2005.

Essas fotografias foram mostradas numa exposição que esteve patente no Núcleo Museológico do Lagar de Azeite, em Proença-a-Velha, no Natal de 2006, e que tive a oportunidade de visitar.
Actualmente podem ainda ser vistas aqui (http://www.pontosdevista.net/expoi.php?id=247)

sábado, setembro 22

22-2007: Pajarito - Black-bull com asas

... Um ser livre e natural, um toiro nado e criado na lezíria ribatejana, de gaiola como um passarinho, condenado a divertir a multidão! Irreprimível, uma onda de calor tapou-lhe o entendimento por um segundo. O corpo, inchado de raiva, empurrou as paredes do cubículo, num desespero de Sansão. Nada. Os muros eram resistentes, à prova de quanta força e quanta justa indignação pudesse haver. Os homens, só assim: ou montados em cavalos velozes e defendidos por arame farpado, ou com sebes de cimento armado entre eles e a razão dos mais… Palmas e música lá fora. O Malhado dava gozo às senhorias… Um frémito de revolta arrepiou-lhe o pêlo. Dali a nada, ele. Ele, Miura, o rei da campina! A multidão calou-se. ...
...- Miura! Cornudo! Dum salto todo muscular, quase de voo, estava na arena.

Pronto!

Excerto de Miura (BICHOS) - Miguel Torga

terça-feira, setembro 4

21-2007: Sra do Loreto - Alcafozes

Pela primeira vez, Portugal recebeu a Red Bull Air Race 2007.
Este fim de semana nas margens do Douro entre o Porto e Vila Nova Gaia, para assistir ao espectáculo, uma enchente humana invadiu a zona ribeirinha. Até parecia que o rio havia transbordado.
Não fora a divulgação feita ao evento, ao ver toda aquela mole de gente que lá se juntou, muitos pensariam que se estava a assistir a uma corrida de rabelos à antiga duriense.
Mas não!
Todos os que se abeiraram do rio saberiam ao que iam.
O que muito poucos saberiam é que também neste mesmo fim de semana, em Alcafozes (uma aldeia vizinha, aqui a uns escassos 12 ou 13 Km de Toulões), iam decorrer (coincidência ou não – e nada divulgados) os festejos celebrados em honra de Nossa Senhora do Loreto, a Virgem Santíssima que em 24 de Março de 1920 foi consagrada pelo Papa Bento XV, Padroeira Universal da Aviação.
Está assim explicada a razão para tanto arrojo colocado nas manobras vertiginosas com que os malucos das máquinas voadoras que, competindo nos céus do Douro, brindaram o povo que assistiu àquele espectáculo inédito entre nós. É que ter as costas protegidas por Nossa Sra do Loreto sempre transmite outra confiança.
É na busca dessa protecção que, tradicionalmente, à romaria desta Santa que todos anos no dia em que culmina a festa (segunda feira a seguir ao primeiro fim de semana de Setembro) ali convergem representantes das mais diversas entidades ligadas à aeronáutica militar e civil para assistir à missa campal e fazer guarda de honra à padroeira durante a procissão em redor do recinto da festa.
Ele é o representante do Estado Maior e de vários militares da Força Aérea, ele são os representantes das Companhias Aéreas e dos seus tripulantes, das Associações e Sindicatos do sector da Aviação Comercial, dos Aero-Clubes dispersos pelo país (com especial destaque para o de Castelo Branco por ser o anfitrião), etc. e muitos populares, todos a encherem de ofertas e recordações a capela do santuário.
No decorrer da procissão, todos os anos uma esquadrilha de aviões patrulha os céu de Alcafozes, deixando atrás de si um troar ensurdecedor a fazer os fiéis se lembrarem de Santa Bárbara e um rasto de fumo branco como marca da sua passagem. Por vezes, quando o tempo o permite, também há lançamento de "páras".
Este ano coube aos F16 da FA e a algumas aeronaves do Aero-Clube de Castelo Branco cumprirem a tradição, mas noutros tempos, quando a guerra colonial que consumia material bélico nado criado de norte a sul do país, esse papel cabia às esquadrilhas de aviões Fiat e outros, que aproveitavam para sobrevoar as aldeias limítrofes e propagandear a actividade da Força Aérea com o lançamento de "papelinhos", no sentido de cativarem o interesse dos jovens e levá-los a alistarem-se nesta força militar.

Avião "T37 C", oferecido pela Força Aéra Portuguesa
(clicar sobre a foto para ler a placa)


Bom, mas se a parte religiosa da festa é, a seguir à Sra do Almortão, a romaria mais concorrida no concelho de Idanha-a-Nova, a parte pagã é também das que consegue atrair mais gente.
É, de longa data, conhecido o dinamismo e o espírito mobilizador das sucessivas Comissões de Festas alcafozenhas, que todos os anos tentam fazer melhor que o ano anterior, sempre como primeira preocupação, arranjar programas que mantenham a festa em alta durante três dias, nos quais nunca podem faltar as tradicionais garraiadas.
Foi das primeiras aldeias da região a possuir capacidade financeira para contratar artistas portugueses de nomeada.

Cobram bem, mas também animam os festejos e atraem forasteiros em quantidade suficiente para darem consumo aos mais diversos e apetitosos petiscos, garantindo, assim, um encaixe financeiro que, somado às dádivas da população e às receitas das rifas que são (ou eram – ainda comprei algumas) vendidas em qualquer parte do mundo onde haja um alcafozenho, ajudam a assegurar o futuro da festa.
Bem! Mas o objectivo da entrada de hoje não é propriamente o de contar a história da festa à Senhora do Loreto, porque para isso qualquer filho desta aldeia Raiana o saberá fazer melhor que eu.
É, isso sim, a de contar uma história conhecida de todos os toulonenses do meu tempo; a cornada sofrida pelo t’Zé Monteiro Pêla-Ruça, que o deixou empalamado por uma valente temporada.
Numa altura em que ainda não tinha pegado a moda dos cantores, entretenimento maior em Alcafozes eram as afamadas largadas à vara larga pelas ruas do povo, com tradição certamente recolhida das famosas "touredas" de Idanha-a-Nova, aonde acudia gente de todos os povos das redondezas.




O rei da Música Pop Portuguesa, Quim Barreiros, condimentou o ambiente festivo com o picante das sua cantigas.


A garraiada nocturna não teve a emoção de outros tempos

Agora as garraiadas são feitas num redondel construído junto ao recinto das festas, se bem me lembro, aí por finais da década de 80, onde já foram feitas touradas a sério, com cavaleiros, forcados e tudo.
Mas já não é a mesma coisa. Verdade seja dita que também já não há rapazes com "farnis" como havia antigamente, destemidos e com genica para enfrentar o garraio.
As ruas que desembocam no largo da igreja eram vedadas com cancelas robustas e nalgumas portas, principalmente numa das tabernas que dá para o largo, que faz esquina no lado poente do mesmo, era colocado, ao alto, um tranqueiro a atravancar a passagem, impedindo a entrada à rês que estivesse a ser corrida.
Os animais que participavam neste divertimento eram vacas bravas, mas em último, para aumentar a adrenalina aos mais tesos, era na maior parte das vezes libertado um touro. Um verdadeiro. Um daqueles que, como escreveu Herberto Hélder, "é uma espécie de pedra gigante dotada de dinamismo", com força bastante para levantar um reboque de tractor carregado de gente (como aconteceu uma vez no Ladoeiro - não ganharam para o susto!) e com a manha aprendida a correr atrás dos cavalos e dos forcados, nalguma das monumentais praças portuguesas.
Como a grande maioria das gentes raianas, o t’Zé Pêla-Ruça também gostava de "faenas" e fora à festa na companhia de uns amigos. A dado momento, para retemperar o organismo da desidratação provocada pelo calor da movimentação no largo, entraram na taberna para beber um copo.
Na rua um touro "bromelho" torrado fora largado e, ali mesmo à porta da tasca, investia num espantalho feito com uma saca de serapilheira cheia com palha centeia, como que a querer provar à assistência que a cor da pelagem nada tem a ver com a bravura.
O espantalho suspenso numa corda que, pelo ar, atravessava de um lado para o outro da rua, era manobrada numa janela de um primeiro andar, de forma a dar movimento àquela figura humanizada para distrair ou assanhar a fera.
Aborrecido com o engano, o animal virou-se para a porta da taberna e investiu contra umas pernas que se mostravam em movimentos de pontapés no vazio vindos lá de dentro rente ao tranqueiro, no qual se vingou o touro por ter falhado a investida. O pau, mal seguro, à segunda ou terceira cornada saltou de "su sítio" e meia tonelada de carne entrou de rompante tasca adentro, marrando às cegas, sem sequer ter parado para colocar a questão, que habitualmente os touros colocam aos forcados antes do momento da reunião, aquando das pegas de caras nas touradas à portuguesa.
Quando touro e forcado, num frente a frente, cruzam olhares com hesitações mútuas, o touro já farto de ser enganado, com uma das patas dianteiras a escavar na arena, parece perguntar ao moço:
- Vens cá tu ou vou lá eu?
Aqui não foi o caso. O touro, ao entrar na taberna, parecia raposa em galinheiro. A debandada foi geral. Enquanto uns voaram pela janela ou esbracejaram pela porta, outros, que até se vangloriariam da sua grandeza, borrados da sua cagança, tentaram fazer-se pequeninos e invisíveis, e imóveis reduziram-se à sua natural insignificância.



Esta sequência de fotos foi tirada um ou dois anos após a inauguração da "praça"




O ti Pêla-Ruça, não. Descansadamente encostado ao balcão a dar três dedos de conversa entre dois goles de tinto, nem tempo teve para pestanejar. Foi apanhado por aquele "red bull" que lhe meteu um corno entre as pernas e lhe deu asas para ir aos céus.
Mas como o tecto do estabelecimento era o limite, depois de ter esbarrado nos caibros do forro, não lhe valendo a protecção da Senhora do Loreto, foi forçado a um voo picado e aterrou desamparado no cimento do chão, apenas almofadado com uma camada composta por um manto de cascas de tremoços, cascas de cascabuéis e um salpicado de piriscas brancas.
Por sorte o animal, que para além de míope, estrábico e daltónico também devia sofrer de claustrofobia, vendo-se encurralado naquela exiguidade, atraído pelo movimento do pessoal em fuga, desviou a atenção para a luz vinda da porta e conforme entrou assim saiu, poupando o ti Zé a mais umas valentes cornadas.
Mas a Santa redimiu-se e só um milagre seu fez com que a ambulância dos bombeiros voasse entre Idanha e Alcafozes para socorrer o homem e o transportar ao hospital.



Mas uma coisa é certa: o ti Pela-ruça, pequeno, era homem de fibra!

Porque se não fosse, nunca mais voltava às touradas de Alcafozes, como aconteceu muitas mais vezes.
E quando o episódio da cornada vinha à baila havia sempre alguém que lembrava a arrancada, sempre oportuna, do ti João Páscoa:
- São cousas ó Zéi. No dizem que quem se quer bem sempre se encontra?

Atão assim foi, parente!

quinta-feira, agosto 30

20-2007: A festa, que futuro?

Lá passou a festa!
Mais animada para uns, menos animada para outros, (é que nisto das festas é sempre difícil agradar a Deus e ao Diabo), mas honra seja feita às miúdas da Comissão 2007 que, com esforço e o apoio de familiares e amigos, cumpriram a divisa de dar continuidade à tradição e, pelo que me foi dado a perceber, o balanço foi francamente positivo.
Mas tão importante como os festejos propriamente ditos é a habitual "vinda à festa", sempre motivo para encontros e reencontros com amigos e, curiosamente, com os filhos dos amigos; a nova geração de mocidade que nasceu fora e não conhecemos por a não ter visto crescer.
Da miudagem dos 18/20 anos para baixo já não se conhece ninguém. A alguns, pelas parecenças, ainda se lhe deslinda a "linhagem", são a cara ingerida dos progenitores, mas a outros?, não há contorcionismo mental que lhes consiga encarrelher com a genealogia.
No reencontro, mais ou menos cíclico, entre velhas amizades consolidadas na juventude pela partilha de experiências e cumplicidades, alegrias e tristezas, questiona-se o futuro da aldeia e a continuação da festa, vindo à liça comparações com o passado.
São amizades do tempo em que a estudantada se juntava aqui, vinda de todo o lado, para passar as férias escolares. Apanhava a carreira logo após terminadas as aulas e aqui ficava um Verão inteiro até dois ou três dias antes do recomeço das mesmas.
Conjuntamente com os "Franceses" que vinham passar as "vacanças" e a malta que por cá permanecia, na expectativa de agarrar uma oportunidade para se atirar ao mundo, tal como os pássaros na borda do ninho, esperando pelo momento de se sentirem seguros e se lançarem no vazio, experimentando a triunfal sensação do primeiro voo, a "rapaziada do mê tempo" unia-se e havia festa todos os dias.
Mas com o aproximar do dia da mais esperada, a de Santo António, a agitação aumentava.
Di-lo ia o ti Cavalinho, quando uma buliçosa chusma, aos magotes, lhe invadia a taberna: "Ca rai de joldra vem a ser esta, atão pariu p’ra aí a galega, ô quêi?"
Toulões era um mar de gente.
É um facto que o futuro dos jovens, os tais que já não conhecemos, não passa por aqui. Para eles a terra é menos convidativa e até desinteressante. Já não passam cá o Verão. Vêm à Festa, de fugida, já queimados pelo sol da beira mar, quase só para não desapontar a família, que por devoção se reune toda neste dia.
Mas, apesar de tudo, visto o entusiasmo ainda manifestado por alguns mais optimistas, estou em crer que, a exemplo das miúdas que este ano a organizaram, à nova geração, apesar de cá não ter criado raízes, talvez lhe venham a rebentar umas vergônteas, boas pôlas que hão-de aqui pegar de estaca, não deixando morrer a tradição do "vir à Festa".

terça-feira, agosto 21

19-2007: Assim se passou a Festa

Este post é dedidado a todos os Toulonenses, especialmente aos que aqui vêm visitar-me (e sei que são bastantes), fazendo votos de que a Festa do ano que vem seja tão boa ou melhor que a deste ano.









O dia da festa, propriamente dito, começa com a alvorada pelas ruas do povo ao som da banda Filarmónica Idanhense, com o Tó Jacinto a fazer de cicerone.
O andor do padroeiro é, por tradição, sempre transportado pelos elementos da Comissão de Festas. Este ano as catchopas que fizeram a festa, aguentaram nos ombros, como é dado (ou seja, estoicamente), todo o percurso da procissão.
Durante a apresentação do livro "Cancioneiro de Toulões" o seu autor, Manuel A. Marques, (Mnelzinho, como cá é tratado) explica aos seus colegas de palestra o significado do desenho que ilustra a capa. A Vaca-Galhana (ver aqui) que em tempos foi ex-libris do Entrudo de Toulões.
Com esta foto quero homenagear o Tónho "Santantonho", o eterno e honorário festeiro que estava sempre pronto a regar a terreiro para apagar a poeira, no tempo em que a festa se fazia no adro. Apesar do seu atraso, quantas vezes animou a festa, sendo sempre acarinhado pelos Toulonenses.
Esteve tudo bem pensado e notata-se uma evolução de mentalidades. Até a criançada teve direito ao seu momento de festa durante o arraial com um concurso de desenho! É uma boa forma de fazer com que as crianças ganhem afeição pela terra.
Mais ou menos seis arrobitas de carne marcharam enquanto o diabo esfregou um olho.


A música teve muito som, muito movimento, mas pouca luz (daí as fotos terem um cariz mais artístico do que documental). Talvez o único senão da festa foi o facto de o conjunto tocar mais para a malta nova. O pessoal de idade mais avançada, que gosta dar o seu pésinho de dança ao som de música popular, desta vez foi mais o tempo que ficou a ver.

SÓ ME RESTA DESEJAR BOA SORTE AOS FESTEIROS DE 2008 E DEIXAR AQUI UM ABRAÇO A TODOS.

sexta-feira, julho 27

18-2007: FESTAS DE TOULÕES

Para todos quantos aqui chegam dando-me o prazer da vossa visita, mas, no caso, especialmente para os vizinhos, aqui deixo o cartaz das festas de verão deste ano com o respectivo programa do qual destaco três momentos:

PRIMEIRO (Sábado - 17:30h)

Faz também parte do programa das festas um momento cultural com o lançamento do livro "Cancioneiro de Toulões" pelo nosso conterrâneo Manuel Antunes Marques.
Imaginando o conteúdo desse livro, deixo uma das décimas desgraçadíssimas criada pelo ti Zé Louro, dita e cantada durante anos pelo povo de Toulões, tendo chegado até hoje como abaixo se regista.


Houve uma grande zaragata
Nos termos da nossa terra
Não quis acudir ninguém
Ao caminho de Salvaterra
O Ribeiro do Malhão
Como é bruto e revoltoso
Deu uma sova no Raposo
E esfaqueou o Barrocão
Na eira do Fontanhão
Espetou cem vezes a faca
Depois com uma estaca
Quis destripar as Lameiras
Então lá no Vale das Eiras
Houve uma grande zaragata

O Malhadil da Barronceira
Deu uma sova no do meio
Esperaram pelo correio
E foram dar parte à Zebreira
O Ribeiro da Feiteira
Mais bravo que uma fera
Cortou a cabeça à Serra
E um braço ao Serralhão
Houve grande revolução
Nos termos da nossa terra.

Archelona e Muro de Barro
Ao formarem novas herdades
Chincaram os olhos aos Frades
Lá prá Horta do Catarro
O Vale das Vacas veio num carro
E veio o Agulhão também
Porque o Vale das Azedas tem
Dez facadas na barriga
Corre o sangue à Toula arriba
E não lhe acode ninguém

Lá anda o Malhadil Cabeiro
Aos pontapés nas Lágrimas
Lá andam as Fontainhas
À bulha pelo Barreiro
Viu-se também o Chão Cimeiro
Aos Direitos fazer guerra
Mas ao ouvir gritar a Serra
Fugiu e anda a monte
Foi visto no Chão da Fonte
Ao Caminho de Salvaterra.


SEGUNDO (Sábado 19:30h)


O tradicional porco no espeto.


É tão bom que estou à vontade para garantir:

"NEM O TOUCINHO CÁ FICA!".

TERCEIRO (Todo o resto da festa)

A animação e a boa disposição estão garantidas. Para além dos artistas que constam do cartaz, estarão também presentes (por ordem alfabética): Emanuel, Mónica Sintra, Quim Barreiros, Quinzinho de Portugal, Rute Marléne, Vários Acordeonistas, etc., todos eles constantes do repertório em CD do Sr. Esteves (o homen da aparelhagem).
Fica aqui um aviso aos artistas participantes.
Dado ser tradição dançar o fandango durante o arraial, aquele que for solicitado e não o saiba tocar, para além de não receber, ser-lhe há apichada a canalha e será encorrido até ao leque da Zebreira.

BOAS FESTAS E BOAS FÉRIAS A TODOS, ... EU TAMBÉM VOU!

quarta-feira, julho 18

17-2007: A lenda de TOULÕES

O texto de hoje (transcrição integral) é da autoria do Dr. Jaime Lopes Dias, estudioso das nossas tradições e escritor erudito, que o publicou no 1º dos 11 volumes que compõem a sua obra Etnografia da Beira.
Conta-nos uma lenda sobre Toulões, que remonta aos primórdios da formação da localidade e deu origem à ainda hoje celebrada festa de Santo António.


SANTO ANTÓNIO E O LÔBO BRANCO
A ânsia de maiores rendimentos e a necessidade de melhor aproveitamento dos extensos incultos de entre Zebreira e Alcafozes, levaram alguns moradores desta última povoação - a que se juntaram outros de Monsanto e de Idanha-a-Velha - a fixar-se, no comêço do século XIX, a sudoeste da Serra da Monracha, junto da ribeira da Toula.
Surgiram as primeiras cabanas de colmo, constituiu-se o primeiro núcleo de povoadores a que vieram associar-se outros de Idanha-a-Nova, Salvaterra do Extremo e Zebreira, por forma que Toulões tinha já em 1840 mais de quarenta fogos.
Apascentando os seus rebanhos, cultivando as terras de Malhadiz foreiras do município de Monsanto, a vida, embora dura, corria-lhes em boa paz.
Em presença de extensos matagais que o duro trabalho de cada dia não chegava para desbravar, todos, homens e mulheres, velhos e crianças tinham o seu mester.
Enquanto os homens acompanhavam, rêgo a rêgo, as juntas de bois no revoltear do terreno, ou levantavam, de sol a sol, o pesado enchadão, as mulheres entregavam-se aos serviços domésticos, à sacha e à monda nos campos, e as crianças à guarda dos rebanhos.
E mal o sol despontava, lá iam todos, diariamente campo em fora, cada qual à sua ocupação.
No lar de uma das pobres choupanas, preparada já a ceia e reünidos os familiares, faltou certo dia o mais tenro dos pequeninos.
Debalde esperaram os seus, por largos minutos, o regresso.
Divulgada a notícia pela povoação, todos os moradores, núcleo de bons vizinhos, onde os desgostos como a alegria de um são desgostos ou alegria de todos, pressentindo desgraça, correram à porfia, montes e vales, a gritar e a clamar inutilmente pelo infeliz desaparecido.
Passaram dias, correram meses, e novas crianças faltaram.
Inùtilmente procuravam aquelas almas aflitas, na simplicidade dos seus conceitos razão justificativa de tão grande desgraça!
Os mais velhos, baseados na velha crença de que lôbo que uma vez se alimente de carne humana passa a atacar e procurar o homem, atribuíam àquelas feras a sua dor, o seu luto.
Toulões passava dias aflitivos.
Um grupo de homens bons, seguros na sua fé, resolveu tomar a iniciativa duma festa a Santo António, advogado das coisas perdidas e patrono dos vivos, para que os livrasse de tão grande dano.
A festa realizou-se, efectivamente, com o maior luzimento, e desde então, aquêle pequenino povo, escudado na sua devoção pelo santo, passou a viver confiante, sem maiores receios. Desaparecera a origem dos seus sobressaltos e da sua dor.
Dificuldades monetárias que surgiram, ou desleixo que o nosso povo costuma bem traduzir nas palavras «só lembra Santa Bárbara quando faz trovões», deixaram que a festa caísse em desuso.
Passaram dias, anos, e quando todos se julgavam em boa paz e segurança, Jerónimo Manso, de poucos anos de idade, que apascentava o gado de seus pais, foi súbita e inesperadamente atacado por um lôbo de côr pardacenta com uma malha branca no abdómen. Às garras da fera teria perecido se lavradores que próximo andavam não tivessem acudido com rapidez aos gritos aflitivos do pequeno.
Ao pobrezinho pôde ainda a fera roubar um pedaço de couro cabeludo, pelo que teve de usar, durante tôda a sua vida, que foi comprida, um pedaço de cabaça das de trepar, para proteger a parte desnudada.
Estava o povo de TouIões reentrado em amargurados dias de desassossêgo e intranqüilidade!
Era preciso dar caça à fera, empregar os últimos esforços para que, de uma vez, se limpasse o lugar daquela peste.
Exímios caçadores percorreram as redondezas. Viram o lôbo, chegaram mesmo a atirar-lhe.
Voltar a cumprir a promessa feita a Santo António era dever de boa gratidão, remédio certo, no crença e fé de TouIões.
E a festa. embora à custa de sacrifícios, ressuscitou.
Veio a música, e à missa, que foi a grande instrumental e com tôda a pompa, acorreu todo o povo debaixo da mais funda impressão. E quando todos se preparavam para fazer sair a procissão: pendões já no ar, insígnias multicolores de confrarias a dar nota garrida, alguém veio dizer que o lôbo fôra encontrado morto no campo.
Muitos correram a certificar-se da veracidade da boa nova. Hossanas a Santo António! A fera estava efectivamente morta! Lágrimas de dor, mas lágrimas de alegria! Santo António, que era já Santo, passava a ser, mais do que nunca, protector de Toulões e advogado das coisas perdidas!
E a fé que revolve montanhas, a fé santa e pura que salva e redime, passou a ser mais sólida e mais vigorosa do que nunca entre os incansáveis e bons vizinhos da Toula: os toulões.



A FESTA ESTÁ À PORTA, O PROGRAMA VEM A SEGUIR!

sábado, julho 7

16-2007: Na Rota das Maravilhas


Núcleo de moinhos de água recuperados no rio Ponsul, a jusante da barragem de Penha Garcia.

A desertificação e o despovoamento do interior são um facto indubitável. Progrediu na proporcionalidade inversa com que se degradou a actividade agrícola, cuja mola real, vítima de pasmo, não deu mais sinais de reacção e ficou sujeita ao cerco da UE, rendida ao sistema de subsídios para não morrer de asfixia.
Mas o futuro, que também passa por aqui, nem todos os dias se apresenta de ar sisudo. Os que conseguirem arrancar-lhe um sorriso, por certo irão ver as suas vidas recomporem-se de tantos e sucessivos tombos e, como não há bem que nunca acabe nem mal sempre dure, (prefiro dizer assim) da desertificação também surgem oportunidades.
À semelhança do sucedido com as nossas aldeias históricas (as Idanhenses), a aposta no turismo de ar livre parece estar a dar uma nova vivacidade a estes pequenos aglomerados populacionais, onde só o relógio da torre parece não ter deixado de acompanhar o ritmo do tempo.
Aproveitando alguns recur- sos com que a natureza graciosamente obsequiou estes locais, a partir desta realidade, gera-se riqueza em benefício desta zona, garantindo melhor qualidade de vida a muito boa gente jovem.
Escarpa quatzítica em Penha Garcia

A prová-lo, está a iniciativa em boa hora tomada pela Naturtejo, empresa intermunicipal integrada por 6 municípios, que se revelou um sucesso.
A apresentação da candidatura de um território que ocupa uma área de 4500 quilómetros quadrados, distribuída pelos municípios aderentes pela qual estão dispersos 16 monumentos naturais (Geossítios - vê-los aqui), foi coroada de êxito no Verão de 2006, ao ser classificada pela UNESCO como "Geoparque da Meseta Meridional".
Para esta empresa, na voz do seu presidente, «o Geoparque Naturtejo é a galinha dos ovos de ouro para os municípios abrangidos.»
E com toda a razão!
Eu, que mantenho sempre algum cepticismo relativamente ao que mexe com esta região, reconheço que este projecto tem pernas para andar. E digo reconheço, não por conhecimento de causa, mas pelo que por aqui se vai observando.
Penha Garcia - Trilobites, rasto de seres marinhos extintos há 250 milhões de anos.
Se hoje pareço ser incoerente com o que disse no post anterior, a realidade é que, neste caso, o investimento privado (criação de infra-estruturas para alojamento e lazer), supera o público (recuperação e manutenção dos locais a visitar) sinal de que as previsões de sucesso foram bem medidas.

A classificação atribuída desencadeou o designado Turismo de Natureza no Centro de Portugal e, pelo seu interesse, justificado com a organização de Rotas pedestres (vê-las aqui) e visitas a monumentos naturais, e outros eventos relacionados, já começou a atrair à região da "Raia Perdida" um grande número de turistas que põem a bulir actividades tradicionais que pareciam adormecidas.
Aqui estou apenas a referir-me ao que constato nas aldeias vizinhas que rodeiam Toulões, todas do concelho de Idanha-a-Nova: (ver Mapa aqui)
Penha-Garcia (Rota dos Fósseis - Parque Iconológico onde as formações rochosas guardam fósseis de seres pré-históricos, Rota do Contrabando e Moinhos do Ponsul), sobre a qual reportam estas fotos, Monsanto (Inselberg Granítico) e Salvaterra do Extremo, Segura e Rosmaninhal (Rota dos Abutres na área protegida do Tejo Internacional) Monfortinho (Rota do Contrabando) sem esquecer algumas que, não sendo abrangidas por este programa, merecem a honra de uma visita.
É o caso de Idanha-a-Velha, aldeia histórica amplamente divulgada por albergar um património histórico de inestimável valor, Medelim (aldeia dos balcões) e Prença-a-Velha (Núcleo Museológico do Azeite) onde um programa cultural com organização da iniciativa da Proençal - Liga de Desenvolvimento de Proença-a-Velha - faz periodicamente reviver as tradições que marcaram a vida dos mais antigos.

Para quem aprecie, tudo isto é vivamente recomendável.
Perder-se também quer dizer deslumbrar-se, mas perder-se e não se achar é deslumbrar-se perdidamente.
Com tanta coisa bonita que há por aqui, nestas férias perca-se por cá. Vale a pena visitar toda esta região de gente aberta e verdadeira.
E se por estas terras vos perderdes e não vos achardes é porque estais em TOULÕES. Não foi bafejada por nenhuma das maravilhas atrás citadas, mas garanto-vos que há muita hospitalidade e simpatia para distribuir.
Aqui, "uma côdea de centeio nunca se negou a quem cá veio, mesmo sabendo que "para o diacho que o amassou, nem uma côdea sobejou".

quarta-feira, junho 20

15-2007: Lagartos ao sol

Estou exultante!
O ênfase dado pelas entidades estatais com responsabilidade na matéria, no assinalar do dia dedicado ao Combate à Desertificação e à Seca, superou as minhas expectativas. O nosso Executivo deixou bem claro que seria dado um passo de gigante na recuperação do atraso de anos e anos, em que os sucessivos governos não apresentaram financiamentos, mas que, doravante, será invertida a tendência de desertificação do solo nas zonas afectadas do interior.
Mesmo a comunicação social, da qual se esperava uma tímida referência, badalou o assunto até à exaustão.
O impensável aconteceu: o rescaldo do jogo da selecção de sub 21 de Portugal, que esmagou a sua congénere Israelita, a provar que não passaram à fase seguinte, para disputar os primeiros lugares, porque não quiseram, preferindo, por amor ao futebol, ir disputar a ida aos JO de Pequim (sempre é mais um jogo), foi relegado para plano secundário. Nem sequer foi tido em consideração o estatuto de estrelas dos rapazinhos, ganho pela sua voluntariosa disponibilidade de, nos intervalos dos treinos, fazerem serviço cívico a arrancar mato, dando o seu contributo no atenuar do risco de incêndios e melhorar o meio ambiente.
Deste modo, aprendem também o que custa a vida nesta zona do país.
Foi com este espírito que em 1999, o então ministro do Ambiente (hoje nosso Primeiro), tomou a iniciativa de implementar o Plano de Acção Nacional de Combate à Desertificação, o famigerado PANCD, que visava intervir nesta área e que, até hoje, nunca tinha sido posto em prática.
Pois bem. Com a finalidade de assinalar a data, foi entregue às autarquias, para reduzir os elevados índices de desertificação, um kit de emergência para combate a incêndios há tanto almejado.
À falta de acções de formação para manuseamento do equipamento, que só serão facultadas após terminar a época de fogos (porque agora já não há tempo), foi fornecido aos utilizadores um manual de instruções em estrangeiro. Assim sempre aprendem línguas, não se repetindo a má experiência dos telemóveis que, mais ou menos com a mesma finalidade, foram entregues aos pastores serranos com manual em português, segundo diziam os próprios: "isto para mim é chinês".
Também já se pode dizer que, por cá, o "safe-se quem puder" e o "ai de mim se não for eu", que ia valendo aos raianos, que aqui nasceram e por cá se mantêm, fazerem pela vida, é coisa do passado.
A solvência das autarquias locais é agora um facto.
A conjuntura económica favorável e a vontade política do poder central, dão-lhes capacidade para resolver problemas de fundo, pelo que se acabou o ter que ir atamancando aqui e ali nas situações mais prementes.
As expectativas confirmaram-se e o governo vai passar a dar mais dar mais atenção a este canto de Portugal.
Foram desbloqueadas as verbas destinadas a atenuar a interioridade para resolver de vez o problema da seca e da desertificação, tanto dos solos como humana.
A revitalização da agricultura, que irá permitir a plantação de milhares de hectares de relva para campos de golf, estando garantida a rega através do acordo luso-espanhol (ou hispano-portugués, é a única dúvida) para, aproveitando o transvaze das águas entre Duero Y Tajo, aqui fazer chegar um canal.
Acabaram-se as negociatas para dar destino às verbas do orçamento que todos os anos originava uma nuvem negra provocada por uma clientela de necrófogos, que habitualmente gravitam pelos corredores dos luxuosos gabinetes da tecnocracia, onde agora as decisões que visam dar melhores condições aos desfavorecidos e desprotegidos, já não são tomadas cegamente. É tudo feito com conta, peso e medida.
Já que vem a talhe de foice, bem se pode dizer que esses investimentos, nos quais se incluíam aparelhos de climatização que, ano após ano, substituíam os que haviam sido colocados no ano anterior nesses gabinetes, foram canalizados para outras necessidades.
A climatização é agora feita através da ventilação natural, pelas janelas, e os ocupantes desses espaços tomaram consciência e passaram a sair à rua para apanhar sol, tal como os lagartos nos primeiros raios primaveris.
Todos os anos, em muitas empresas e instituições públicas, eram esbanjadas verbas do orçamento de investimentos que, ao invés de serem aplicadas onde realmente é necessário, eram aplicadas sem critério, gastando-se por gastar, simplesmente para justificar um pedido de investimento num devaneio qualquer e lhe não perder o direito se o investimento tivesse de passar para o ano seguinte.
Acabou-se o cortar no necessário para gastar no supérfluo, ou seja: acabou-se a política do "Isto no é meu nem de mê pai, que se tchape … toca a estranfoniar que prá frente é que é Lisboa".
Assim sendo, já não precisamos de tanta paciência para alimentar a esperança.

sexta-feira, junho 15

14:2007- DIA 17 de JUNHO

Barragem da Granja de São Pedro (entre Toulões e Alcafozes)
afectada pela grande seca de 1981/82
17 de Junho de 2007,
DIA MUNDIAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E À SECA
A propósito deste dia:
«Mais de metade do território português corre o risco de ficar deserto e seco nos próximos 20 anos».
«… mas, independentemente desse cenário futuro, cerca de um terço do território já sofre "uma grave desertificação", da qual a seca, os incêndios florestais e o despovoamento do interior, devido à "concentração excessiva da economia e da população no litoral", são "expressões evidentes"…»
«… todo o interior junto à fronteira com Espanha, do Algarve a Trás-os-Montes, está a ficar deserto, com a perda de potencial biológico dos solos (desertificação física) e de população (desertificação humana)».
«… até agora, muito pouco tem sido feito para inverter esta tendência de desertificação e evitar os piores cenários … … defendo a adopção de medidas concretas e eficazes de fixação da população activa nos meios rurais, de conservação do solo e da água e de recuperação das áreas já afectadas
Palavras de EUGÉNIO SEQUEIRA
, ambientalista, presidente da LPN (Liga para a Protecção da Natureza), à imprensa.

quinta-feira, maio 24

13-2007: BTT em Toulões (crónica)

(portfólio fotográfico, em baixo, na entrada anterior)
Há dias assim!
Vai-se à terra passar uns dias com a família e retemperar no sossego da aldeia, onde nunca nada parece acontecer, e eis que surge, inesperadamente, uma agitação descontrolada; uma azáfama citadina invulgar por estas bandas, que, neste caso, até é um bom argumento para trazer à rua os velhotes que por aqui vão andando.
A realização da 2ª Maratona Internacional BTT de Idanha-a-Nova, neste fim de semana, que integrou Toulões no seu percurso, trouxe ao conhecimento dos mais idosos as vivências de uma modalidade desportiva com grande adesão, para eles completamente desconhecida.
Os cerca de 900 atletas participantes, (mais 1000 inscritos a edição deste ano), vindos de diversos pontos do país, e também alguns espanhóis, deram tamanho colorido à aldeia que mais parecia dia de festa. E pelo que constatei, comparando com os 350 da edição do ano passado (a 1ª) que por cá passou quase despercebida, apercebi-me que provaram, gostaram, repetiram e trouxeram amigos.
Com partida de Idanha-a-Nova, num percurso que uniu as localidades de Alcafozes, Toulões, Salvaterra-do-Extremo, Zarza-la-Mayor (Espanha), Segura, Zebreira e regresso de novo à Idanha, os "biciclistas" tiveram de percorrer, por montes e vales, "caminhos com algumas zonas técnicas (como dizem os entendidos)", circulando sempre por trilhos rurais que nem o GPS consegue vislumbrar.
Entre Toulões e Zarza (Sarça, como se diz por aqui) esses trilhos são os mesmos pelos quais os antigos contrabandistas palmilhavam no seu jogo do gato e do rato com as autoridades aduaneiras, dum e outro lado da fronteira e que, posteriormente, foram também usados pela rapaziada nova quando ia de bicicleta até Salvaterra para num saltinho a Espanha, ir às festas, comprar sapatilhas, calças da Lois ou chumbinhos de pressão de ar para caçar pássaros.
Quantas vezes, por aqueles gorroais no atravessar dos ribeiros, às vezes com dois numa bicicleta, se furava uma câmara de ar, contrariedade essa que mandava desenrascar.
Se os participantes nestas provas se equipam com boas ferramentas e sofisticado material de substituição, naquele tempo, enchia-se o pneu com um nagalho feito de duas ou três paveias de junça, de juncos e ás vezes até mato que, tal como nesta ocasião, "ala que se faz tarde, que no caminho tem de se andar a nove".
Mas a competição não é levada a sério por todos da mesma forma. À chegada ao posto de abastecimento aqui instalado, os que lutavam por um lugar na frente nem sequer pararam, mas os farrombões, os que participam habitualmente nestas iniciativas a pensar mais no jantar convívio do que na classificação final têm outras prioridades:
- Onde é que está esse chouriço afamado, que eu só cá vim por ele?
Está claro que chouriço nem cheirá-lo, mas certamente que o sentir da hospitalidade raiana não deixou ninguém indiferente. Bastava ver a forma como as gentes de Toulões que assistiam ao passar dos concorrentes se dispuseram, espontaneamente, a colaborar na distribuição de garrafas de água e comida (estou convencido que nas outras terras foi igual) e como alguns desses concorrentes, nada preocupados com a classificação, paravam e conviviam.
Para estes (e estas – honra seja feita às senhoras participantes), a ver pelo desgaste físico com que por aqui passaram, rompendo por uma canícula de 35º, pouco habitual em fins de Maio, o melhor prémio terá sido um banho retemperador ao atravessar a Ribeira Espanhola (rio Erges) pela ponte nova, ali no Vale de Idanha, ligeiramente a montante de Salvaterra.
Em Toulões trataram-se também algumas mazelas decorrentes de algumas quedas aparatosas (ossos do ofício).
Foi no aspecto da assistência que quanto a mim houve um senão da organização que poderia ter aqui previsto, já não digo um posto de enfermagem, mas pelo menos uma caixa de primeiros socorros. Uma dor de alma ver alguns chegarem aqui todos esfarraixados nas pernas e nos braços, sem haver ninguém, nem nada, para desinfectar escoriações.
Esta visão ensanguentada trouxe logo à discussão, entre os presentes, comparações conjecturadas e foi então que veio à baila um episódio passado com o Gardoxa; o primeiro garoto a ter uma "bciclete" nos Toulões.
Uma vez, ainda numa fase de aprendizagem no domínio do equilíbrio em duas rodas, pedalando atabalhoadamente pela rua da igreja abaixo, mesmo à porta do ti Cascarão, atropela um vulto do qual não se conseguiu desviar. O vulto, uma mulher, caiu para um lado e ele caiu desamparado para o outro. Ao levantar-se da calçada, tolhido, exibindo umas chagas que nem Lázaro, na sua ingenuidade de gaiato de sete anos, dirige-se à mulher com a educação que a raiva às vezes nos dá em momentos de descontrolo: "Filha da puta, por causa de ti é que eu caí!"
A senhora, sentindo-se ultrajada na sua razão, esgargalou-lhe os olhos com que noutras ocasiões lhe impusera respeito. O Gardoxa, ao reconhecer naquele olhar contundente a autoridade da dona Deolinda, sua professora, pareceu ter desaparecido por entre as pedras da calçada embrulhado na dor que as feridas lhe provocavam.
Mas se alguns se "espalharam" foi porque não tiveram a sorte milagrosa do Zé "Chouchinho", um ás do pedal que fazia da sua pasteleira, mais pesada que o cilindro de ferro fundido que jaze cheio de ferrugem no campo da bola, o seu meio de transporte para o trabalho.
Uma história também relembrada ocasionalmente entre amigos, ocorrida numa tarde de um início primavera, ainda invernosa, sobre o pontão do ribeiro do Vale das Vacas.
O pontão, acabado de ser construído, com a laje do tabuleiro a fazer uma pequena depressão a meio onde se acumulava água das chuvas, formava um charco que obrigava os passantes a contorná-lo, passando junto à berma ainda sem guardas.
O Zé regressava do trabalho, num corte de lenha no Vale de Cardas, acompanhado por alguns colegas que também se deslocavam diariamente de bicicleta.
Chegado ao pontão, ao tentar desviar-se do charco, a roda dianteira da bicicleta resvala do pontão e o Zé, por um enésimo instante, viu-se mesmo estatelado três metros abaixo, no leito do ribeiro.
Mas eis que uma instintiva guinada de guiador fez com que, milagrosamente, uma pontinha de inerte saliente do betão, lhe deitasse mão à roda e a pusesse de novo em cima do pontão. Naquele aparato, e enquanto o Zé se recompunha do susto, limpando o suor com que o nervoso lhe inundou a fronte, instataneamante caleada, só a cesta da merenda, que vinha mal presa no suporte traseiro da bicicleta, parece ter sofrido danos colaterais ao mergulhar de chapão na água lamacenta do charco.
"Tinhas o anjo da guarda debaixo da ponte!"
O fenómeno foi objecto de estudo cientifico por parte dos colegas que pararam a tentar perceber como tal acontecera. O próprio Zé "Chouchinho" todos os dias ali descia da bicicleta como que para se ver pedalar e rever o movimento impossível que o segurou.
Esta história, que contada parece "história", mesmo com o testemunho dos colegas, deixou muitas vezes o Zé agarrado ao epíteto de poupa.
"Pou-pou, és um mintroso!" diziam-lhe.
Mas história à parte, com esta corrida de bicicletas que animou Toulões, foi gratificante verificar como estes acontecimentos mexeram pela positiva com esta população idosa, tirando-a da rotina quotidiana.
Como diz o ti António "Lagarto" referindo-se à velhice: "cada dia que passa, é um dia a mais outro a menos!" e assim se alterando o velho ditado com a palavras adequadas na idade certa:
Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e retarda o envelhecer.

domingo, maio 13

11-2007: O segredo de Fátima

Foto tirada no Santuário da Sra. do Almortão (2006)

São públicos os valores respeitantes aos fabulosos lucros obtidos pelos Serviços do Santuário de Fátima, com uma grande fatia proveniente das dádivas dos fiéis. Talvez por esta razão, desde o ano 2000, tenha sido tomada a decisão de não guardar segredo sobre o assunto, tornando transparente o "Resumo das Contas" e sendo mesmo dada a possibilidade aos peregrinos contribuintes, de pedirem cópias do relatório, um pouco contra a vontade do Vaticano que, segundo alguma imprensa, manifesta alguma apetência pela gestão dos dinheiros gerados pelo "Altar do Mundo".
Todo o movimento que gera estas avultadas receitas, gera igualmente uma enorme quantidade de postos de trabalho no comércio e turismo locais, contribuindo directa ou indirectamente para a grande revitalização da economia de uma zona que inicialmente parecia destinada a ser apenas um lugar de meditação, quase deserto, que em trinta anos passa de aldeia a cidade, contrastando com a interioridade raiana cada vez mais acentuada.
A 13 de Maio de 1967, aquando da comemoração do cinquentenário das aparições de Nossa Senhora aos pastorinhos, com a presença de Sua Santidade o Papa Paulo VI, que aqui se deslocou para rezar pela paz no mundo e em simultâneo pela unidade da Igreja. Nesse dia, no Santuário da Cova da Iria, a escassos quilómetros da aldeia de Fátima, estiveram presentes milhares de peregrinos, vindos de todos os cantos do país, incluindo alguns de Toulões que aqui chegaram "sabe Deus como".
Se tivermos em conta as dificuldades de comunicação, de acesso viário e a escassez de meios de transporte nessa altura, adivinhamos as dificuldades e os sacrifícios que a fé ajuda a ultrapassar.
Hoje, derrubadas estas barreiras, chegam anualmente cerca de seis milhões de fiéis ao Santuário da Cova da Iria, considerada "terra mística de procura incessante de fé, porto seguro de todos aqueles que procuram luz, harmonia e paz" que, aproveitando a visibilidade proporcionada pelo evento, (é mostrada ao mundo como um lugar pacato que beneficiou da bênção divina dada a esta região desde 1917) se torna num pólo de desenvolvimento do turismo religioso por excelência, apesar de se dizer que a Igreja se encontra numa manifesta crise de Fé.
Quando em 1967 um rebanho humano apraiou por estas terras áridas, talvez a ninguém lhe palpitasse que passados dez anos esta aldeia de pastores fosse elevada a vila (19/7/1977) e muito menos que, vinte anos depois (em 4/6/1997), a Assembleia da República elevasse a vila de Fátima à categoria de cidade.
Em termos de desenvolvimento, quer económico, quer urbanístico, a evidente ascensão desta localidade não terá sido um milagre, mas olhando com alguma superstição para as datas dos acontecimentos, reparo que o algarismo 7 é constante em todas elas.
Neste ano que corre (2007) nada parece acontecer relacionado com o facto, mas em 2017, coincidindo com as celebrações do centenário das aparições, é bem provável, (e fica aqui o meu vaticínio) que se dê a coincidência de haver festa rija para comemorar a elevação da cidade a concelho.
-Talvez estejamos perante um dos segredos de Fátima?

sexta-feira, abril 27

10-2007: Trabalhos de Maio

Cabo Ruivo - Lisboa 1958
Construção de um empreendimento industrial
Foto de autor deconhecido

Passadas as celebrações do 25 de Abril, trinta e três anos depois, os cravos da Liberdade parecem definhar a cada ano que passa.
E não é de admirar! Basta ver o respeito que algumas entidades públicas guardam pelos valores de Abril. Como exemplo, a pontaria da presidência da CML, na escolha da data de inauguração da polémica obra do túnel do Marquês, talvez perspectivando lá poder enterrar os poucos cravos que ainda mantêm algum viço, ou então esconder os rabos de palha de algum manjerico sob suspeição, enquanto o desfile comemorativo da efeméride lhe passa por cima.
Bom, mas vamos ao início!
Em 1974, para a maior parte da gente das aldeias do interior raiano, o anúncio do fim da ditadura teve o mesmo impacto que tivera o 5 de Outubro de 1910 com a queda da Monarquia e a implantação da República ou, mais recentemente, o primeiro passo em solo lunar por parte do americano Neil Armstrong, ou seja: impacto nulo a que nem se pode chamar indiferença nem incredulidade.
A mente da população, mantida na ignorância, era impedida de alargar horizontes para lá das fronteiras do seu termo e compreender o 25 de Abril, foi uma árdua tarefa que chegou a conta gotas.
Ninguém tinha consciência política e o único governo que conheciam era apenas o seu próprio governo. Aquele com que geriam o ganha-pão para o sustento da casa e da família.
Dos governantes que conduziam os destinos da nação apenas conheciam os que zelozamente pairavam pendurados sobre o quadro negro da escola, representados pela nova Santíssima Trindade: Jesus Cristo redentor, ministro de Deus, crucificado para salvar o Mundo, auxiliado na sua laboriosa gesta pelo chefe do governo ao momento, um homem austero, que adorava seroar em família, permanecia, tal como o seu antecessor, orgulhosamente só, pendurado à direita de Cristo Pai.
Do outro lado, estava dependurado o chefe do estado. Enfaixado, olhando fixamente para a parede em frente com carranca de poucos amigos, fazia do uso da tesoura o seu modo de evitar a inépcia.
O país desandava a pão e vinho e cantava-se o fado da "sardinha para três", que contava a história da miséria, num tempo em que o fraco sustento dependia de uma economia enfezada, proporcionada por uma decadente agricultura tradicional, caracterizada pelo uso de velhos métodos que não acompanharam a evolução surgida na Europa depois da Segunda Guerra, só atenuada após o aparecimento da metalurgia do Tramagal.
Para escapar deste quadro dantesco, muita gente nova foi levada a procurar outro modo de vida em terras do litoral, principalmente em Lisboa.
Chegada a idade para trabalhar, aí com 11 ou 12 anos, muitos garotos eram despachados "a escorregar, tábua abaixo" (como dizem alguns alfacinhas invejosos do que o seu suor produziu) até à capital, para servir de mocinhos de recados e de caixeiros em lojas e mercearias.
Os mais velhos, já com a tropa feita, candidatavam-se a incorporar os contingentes das forças de segurança, os sapadores bombeiros, que lhes garantiam um emprego com condições dignas para poderem ajeitar a vidinha.
Para os que não conseguiam ou para aqueles a quem o trabalho não correspondia às expectativas, sobrava a construção civil. Trabalho mais duro, é certo, mas não menos honrado e com um horário que nada tinha a ver com o sol-a-sol das jeiras agrícolas.
Mas alguns Toulonenses que tentaram a aventura lisboeta, sentiram-se atraídos pela envergadura das chaminés fumegantes que rasgavam o horizonte sobre as águas do Tejo, avistadas do outro lado do rio mesmo em frente ao Terreiro do Paço.
Era o sinal da industrialização que transformara o Barreiro, outrora terra de fragateiros, num dos maiores pólos de desenvolvimento do país e que dava pelo nome de Companhia União Fabril.
A CUF clamava por braços de trabalho e foram estes homens de mãos calejadas que formaram a grande mole operária, que de trabalhadores rurais rapidamente passaram a operários fabris de uma indústria que florescia num desabrochar primaveril, prontos a limpar da memória o grito justo de revolta contra o estampido do chicote dos feitores.
Chegados à grande urbe, esta deu-lhes a conhecer uma nova realidade: a luta operária na defesa de melhores condições de trabalho, coisa que na ruralidade raiana, nunca entrara em sonho nenhum.
Alguns mais deslumbrados, depressa se viram enredados na entusiasmante malha ideológico-partidária e no consequente trabalho de campo de fazer chegar a todos os que partilhavam dos mesmos ideais a informação que uniformizava o pensamento e que tornou a CUF no principal bastião da luta proletária.
Vieram as reuniões secretas às tantas da noite no Pinhal do Forno, para os lados de Alhos-Vedros, ou no Pinhal do Castanho nos arrabaldes da Baixa da Banheira, onde ouviam as palestras dos "cabecilhas", alguns com experiências trazidas de outras reuniões clandestinas, organizadas nos montados do Couço e outros lugares do Alentejo.
Ali se vinham ouvir notícias do mundo operário que ajudavam a delinear estratégias de combate laboral.
O ti Sebastião, funcionário da CUF quase desde a sua fundação, Toulonense que nunca se negou a dar a mão a um conterrâneo, fora sufragado pelo destino para tomar conta da telefonia. Colocava um o copo com água sobre o aparelho para afogar as frequências denunciadoras antes que chegassem aos detectores da Legião, que formava acérrimas milícias anticomunistas.
E foi numa noite de 1 de Maio que, através da onda curta da Rádio Moscovo, chegou solenemente pela voz de um ex-colega do ti Sebastião, Francisco Ferreira (Chico da Cuf), exilado na URSS, a mensagem, palavra de ordem, proclamada cerca de cem anos antes por Karl Marx:
PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO, UNI-VOS!

sábado, abril 14

9-2007: As alvíssaras

A nomeada da Senhora do Almortão (ou do Almurtão) expande-se muito para lá da campanha da Idanha, tal como referem algumas quadras da cantiga. O ecoar do seu "cancioneiro" chega aos quatro cantos do país, recriado pelo talento de grandes nomes do nosso panorama musical, trazendo alguns benefícios na implementação do turismo nesta região.
Vultos como Zeca Afonso, Amália Rodrigues, Dulce Pontes, Janita Salomé, e outros, dando voz ao tema da Sra. do Almortão, encantados com a sua musicalidade, tornaram ainda mais célebre esta ária considerada o hino do município de Idanha-a-Nova.
Muitas vezes, inadvertidamente, dávamos connosco a cantarolá-la, um pouco à maneira de como, em grupo na escola, se estudava a tabuada em voz alta: "Todos sabíamos a música de cor, mas alguns tardavam a acertar com a letra".
Se a Senhora do Almortão (a cantiga) é conhecida pela quase generalidade dos portugueses, pela simplicidade de três ou quatro quadras que unanimemente foram escolhidas pelos cantores atrás referidos, das quais se destaca uma, talvez a mais conhecida, tida como uma sentimental manifestação do patriotismo raiano, pedindo à "tão linda arraiana para virar costas a Castela e não querer ser castelhana", poucos saberão que esta canção não tem letra definida.
Todos os anos, novas quadras de cariz popular, muitas delas improvisadas num despejar de alma, são cantadas por vozes anónimas, principalmente por mulheres devotas dos povos das redondezas dando vida nova à cantiga.
Acompanhadas por concertinas, realejos, zamburras e pelo rufar ritmado dos adufes que elas próprias (as agora designadas Adufeiras) tocam de forma tão exímia, com essas novas quadras cumpria-se a tradição de "dar as alvíssaras à Virgem do Almortão", como que a fazer anunciar a chegada do "rancho" à romaria, para venerar a santa padroeira do concelho.
A criatividade dessas quadras, juntamente com a actuação dos romeiros no alpendre à porta da ermida, chegaram mesmo a ser apreciadas por um júri, com vista a premiar os melhores desempenhos, tendo havido anos de grandes despiques entre aldeias, para ver qual delas ganharia "o ramo".
Esta tradição também era naturalmente cumprida pelas gentes de Toulões.
O canto de um grupo de mulheres, às vezes esganiçado, mas sempre afinado por uma fé inabalável, mesmo abafado pelo som dos diversos instrumentos que as acompanhavam, convenceu o júri a atribuir-lhes o simbólico troféu, que eu me lembre, por duas ou três vezes.
Era ainda a altura em que os cantares eram ensaiados durante a viagem em grupo, feita em carros de vacas, carroças engalanadas, burros e cavalos albardados com adornos garridos em que se parava a meio percurso para almoçar e dar também repasto às bestas.
Pelo caminho afinavam-se as gargantas. As mulheres cantavam para decorar os versos novos e os homens, incluindo os tocadores que pouco ou nada cantavam, também afinavam as suas, mas era mais com a "borracha" do vinho à laia espanhola.
Para a maioria destes, o "ir dar as alvíssaras" era uma quase obrigação num toca a despachar porque na festa há outras prioridades.
Terminada a intervenção, empinados à porta da capela, os homens empontavam as mulheres com a canalha e, acompanhando os tocadores, iam eles dar a volta às capelinhas e ler umas epístolas, balcão aqui, balcão ali. Os cânticos a Nossa Senhora depressa descambavam em despiques à desgarrada entre romeiros de diversas freguesias, sempre ao toque da concertina.
Até à hora da missa campal e da procissão que se lhe segue não havia regra.
Mesmo para alguns, só a derradeira morteirada da descarga pirotécnica a assinalar o final da procissão, que para as mulheres significa o recolher de Nossa Senhora à ermida e para os homens o recolher dos romeiros à sombra onde os espera uma merenda bem farta, punha termo ao sempre a aviar.
Contava-se a história de tocador "afamado", ainda com a figadeira a destilar os excessos dos três dias de festa em Toulões em honra da Senhora das Cabeças, que se realiza nas vésperas da Sra. do Almortão, para além de carregar com a concertina carregava também com uma valente borratcheira.
Quando quis recolher ao local onde tinha a merenda, para ir mais leve, foi aliviar a carga nas traseiras do muro que circunda o recinto. Já sem força nas pernas, aí ficou de joelhos um bom catcho numa penitência involuntária, com corpo sobre a sanfona e o chapéu caído por terra perante um ror de gente num constante formigar.
Na hora da abalada, depois de mais uma volta pelo recinto para comprar as últimas lembranças aos que não puderam vir à festa, o "rancho" preparou-se para a cantadela na apresentação das despedidas à santa, mas do tocador não havia rasto.
Encontrado em maus preparos e com a cabeça ainda pesada, a custo lá se levantou.
Rabugento, apanhou o chapéu do chão e qual não foi o seu espanto que, ao pô-lo, tilintaram-lhe umas quantas moedas na careca. Uma esmola de dez ou quinze marréis fora deixada por alguns fiéis mais caridosos que o confundiram com um mendigo.
Lá se compôs e foi com o grupo cantar o "até pró ano". Ele, que raramente cantava, embalado ainda pela desgarrada de umas horas atrás, saiu-se assim:
Senhora do Almortão
Ajoelho-me a vossos pés
Bem-haja por esta esmola
Que vale bem uns copos de três

Bem, esta quadra não pertence certamente à recolha feita por alguns ilustres idanhenses, estudiosos do fenómeno poético dedicado à Senhora do Almortão, mas, agora que já vos oiço a trautear a cantiga, aqui vos deixo umas quadras de Toulões, (que poderiam bem ser de outra terra qualquer do concelho), para poderdes cantar no dia 23 de Abril (de segunda feira a oito dias) já que este ano eu não vou poder lá estar.

Senhora do Almortão
Este ano já trago noivo
Venho-vos agradecer
Com estas flores de goivo

Refrão (substitui o bem conhecido "olha a laranjinha...")
Vai de fogo e mus’ca
Q’arrail tão lindo
Ai, velhos e novos
Tudo lá vai indo
Vai devagarinho
Sem alevantar pó
Trai-lari-lo-lela,
Trai-lari-lo-ló

Senhora do Almortão
Já passei o Aravil
Levo-vos rosas brancas
No regaço do mandil

(refrão)

Senhora do Almortão
Nossa Santa padroeira
Vimos enfeitar-vos o andor
Com rosinhas de albardeira

(refrão)