terça-feira, agosto 5

14-2008: TOULÕES EM IMAGENS

De regresso após esta prolongada ausência, sem nenhum escrito para editar, deixo aqui uma serie de fotos de Toulões que, de certo modo, ilustram um pouco de como era, e como é ainda, a aldeia.

Esta imagens ficam à inteira disposição de quem as quiser copiar, incluindo o autor do site da Câmara de Idanha-a-Nova, que poderá daqui retirar uma que substitua a que lá ilustra a freguesia de Toulões.
UM ABRAÇO A TODOS E ESPERO QUE DISFRUTEM.
Igreja matriz, construída em 1953 e intervencionada em finais dos anos 70 para acrescento da torre, a fim de albergar o relógio.

Panorâmica da aldeia, com a serra da Morracha em fundo, vista de um campo de tremocilha.

Rua da igreja do adro para cima.
A casa em primeiro plano está à venda. os ineressados podem clicar e cima da foto para ver o contacto. Juro que não tenho comissão e, mais que provável, o dono nem sequer sabe deste anúncio grátis.

Rua da Igreja a Sul da dita

Largo da "Gabine"



Sobreiro com um "braço" decepado por uma peste.

Casa com painel de ajulejo com motivo característico do Bordado de Castelo Branco



Sede da junta de freguesia com uma arquitectura a romper com o modelo tradicional.

Sede da Junta (tardoz)

Janela com guarnição em "cantaria"

Portal de entrada da Quinta do Moscão
(por aqui sai todos os anos um dos melhores nectares de Baco)

"Cancelão" amarelo no Vale de Junco

Se uma das regras da economia na construção é utilizar materiais da região, esta parede é um bom exemplo. Nela foi utilizada pedra de xisto, gorrão, cantaria e até caliça aptroveitada da abertura de um poço.

Esta pasteleira é quase um ex-libris a fazer juz ao dono.

Memórias do lagar do Vale das Vacas

Outras memórias de uma casa de habitação. Com os paus onde se punham as varas do fumeiro, o louceiro, o descanso do candeeiro, a "bureca" dos arrumos, o moirão e a pilheira e no lugar do lume esterlicam as foniscas de uma moita de erva bravia.
Casa antiga, quase com 100 anos, de fachada recuperada com esmero. Numa ombreira nota-se o efeito do tremor de terra de 1964 (por aí) que causou grande susto a uma grande parte da população toulonense.







Rua no Carriçal

Poço de onde brota um bem robusto salgueiro, reflectindo bem o completo abandono a que estão votados os campos.


E pronto... outra corrida outra viagem!

domingo, junho 1

13-2008: Dia Mundial da Criança

Este quadro foi pintado por uma "criança" de 75 anos, no âmbito do programa de ocupação de jovens e menos jovens das aldeias do concelho de Idanha-a-Nova promovido pela Biblioteca Viver Mais Idanha.
Digo criança por essas pessoas terem voltado aos "bancos da escola", algumas se calhar pela primeira vez, com uma vontade férrea de alargar horizontes para lá do que é visivel do cimo do talefe, empinado no alto da Serra da Morracha.
Para todas foi o primeiro contacto com a informática, com os livros coloridos (não sabendo ler, vêem os bonecos) e com as artes decorativas, bem diferentes das rendas e bordados em que algumas são exímias no manejar da agulha.
Desse primeiro contacto com a pintura (ressalvando as inúmeras caiadelas dadas à fronte da casa em vésperas de festa) resultou este naïf, genuino, executado por uma das "alunas", quase podendo ser definido pela prosa poética de Almada Negreiros, assim:

A FLOR

Pede-se a uma criança: - desenha uma flor!
Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala, onde não há mais ninguém.
Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras: umas mais carregadas, outras mais leves: umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase não resistiu. Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era demais.
Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: - uma flor!
As pessoas não acham parecidas estas linhas com as de uma flor!
Contudo, a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça à procura das linhas com que se faz uma flor e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas – são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!

domingo, maio 18

12-2008: Beco sem saída


Já nada é como dantes
Foram-se os reis e os infantes
Não há meninas, nem soldados
Não há bestas, nem arados

Casas sobrevivem desertas
E por portas entreabertas
Passa o tempo ao abandono
Numas inquilino, noutras dono
Salvam-se os velhos e as memórias
Os velhos mais as velhas glórias
Há histórias de dias sem nada
Histórias de noites sem madrugada

Histórias de espigas por ceifar
Histórias de contas por contar
Gente que não conta, canta à vida
Canta ao futuro... num beco sem saída

Toulões, Maio 2008

segunda-feira, abril 28

10-2008:Rua dos Toulões

RUA DOS TOULÕES
(Aldeia de João Pires - Penamacor)
O post de hoje é especialmente dirigido aos Toulonenses que às vezes por cá se perdem.

Diz quem sabe que um topónimo, para além de constituir um referencial para cada lugar, possui também um significado de grande importância para as gentes desse lugar.
Tal como uma alcunha, quando assenta, acompanha uma vida até ao seu termo, quantas vezes ramificando na árvore genealógica de geração em geração, tendo tido na sua origem uma razão de ser, também o topónimo perpetua no tempo um valor inerente a acontecimentos marcantes da vida social e cultural de um povo.
Em Toulões, nome que parece ter brotado da mesma nascente que fornece água à ribeira da Toula, a atribuição de topónimos não foge à regra.
Cada barroca, cada cabeço, cada chão, etc., está identificado por um nome, às vezes sabe-se lá com que significado, mas sempre a simbolizar uma homenagem a algo ou alguém que ficou ligado à razão pela qual foi baptizado esse lugar.
O mesmo acontece com as ruas do povo, as quais, desde a formação deste aglomerado urbano, foram nomeadas, geralmente relacionando-as com a peculiaridade de um morador ou com uma qualquer singularidade que caísse no goto da população, ficando apenas gravado na mente de cada um.
E ninguém lhe trocava o nome.
A título de exemplo, vá-se lá saber por que razão o
Terreiro das Baraças (largo que hoje perdeu o nome), situado na confluência das agora ruas da Senhora das Cabeças e do Café Novo, não poderia ser o Terreiro da ti Pilheta ou do ti Sabiel (Xavier), o Terreiro do ti Canilhas (ferreiro), ou mesmo o Terreiro do do ti Margaça, ou o Terreiro de outros ainda, todos tão legítimos moradores no largo como a família Baraças.
Já no pós 25 de Abril (aí por 1979), com a chegada de uma mais moderna forma de distribuição do correio, porta a porta, houve a necessidade de atribuir número de polícia a cada uma as casas e identificar as ruas atribuindo-lhes um nome.
Neste ponto custa-me aceitar o facto de (e a constatação não é só minha) nenhum Toulonense ter merecido a honra de ter sido evocada a sua memória numa lápide marmórea à entrada de uma rua.
Dizendo mais, apenas 4 pessoas tiveram essa honra: três santos e um rei.
Santo António e Nossa Senhora das Cabeças, padroeiros da aldeia, e ainda São José, patrono dos carpinteiros e por dois venerado: pelo ti Tchica que lhe fez o andor com madeira tirada do pinho mais nobre que se criou na Morracha e pelo velho Beirão (o velho Tchuço, tão atentado pelos garotos) que lhe ofereceu um bordão de marmeleiro, descascado, e desempenado, ao lume e posto a secar num depinduradouro fixo na parede da oficina.
Afirmava ele no dia da ofrenda: "há de lhe florescer um botão de gagula na ponta".
Ao rei D. João IV, foi-lhe concedida essa homenagem, não pelo feito de nos ter libertado dos espanhóis (talvez hoje esteja arrependido) mas porque, segundo consta, doou algumas terras do termo às gentes de Toulões. Foi uma forma de recompensar um bravo soldado, filho deste lugarejo de pastores pendente das faldas da Morracha, por ter dado umas jeiras a ajudar na restauração da soberania do país.
Mas como a história também é feita de deduções, às vezes pouco sustentadas, por mim, diria que Independência por independência, para Toulões foi mais importante a promovida pelo Eng. Borges de Almeida, forasteiro mas proprietário nesta terra, que em 1951 conseguiu convencer autoridades civis e eclesiásticas a conceder ao lugar o título de freguesia, rompendo a forçada ligação umbilical que a ligava à Paróquia da Zebreira, tantas vezes motivo de desavenças.
Também a Principal, que deu nome à Rua, não é mais importante que a Dona Carolina, ou que o ti Zé Magro, que, com a sua influência, proporcionaram a tantos toulonenses a franquia das portas para um melhor futuro com um emprego em Lisboa; ou que o Capitão Geraldes a quem, em parte, se deve a atempada vinda da luz eléctrica e, não fora a revolução de Abril que interrompeu a obra ainda na fase de terraplanagem, também a estrada para a Granja que encurtou o caminho para a sede de concelho, terminada há dez ou doze anos, lhe seria devida.
De referir que o nome uma quinta pessoa, o Dr. Francisco Baptista, na qualidade de Presidente da edilidade Idanhense, teve direito, há cerca de meia dúzia de anos, a figurar numa placa, apadrinhando o "Largo da Cabine" que não tinha nome oficialmente atribuído.
Se de acordo com a Lei em vigor, compete também às juntas de freguesia a responsabilidade de apresentar propostas às Comissões de Toponímia das Câmaras Municipais para dar nomes de às Ruas, Largos, etc., penso que a mesma competência poderão ter para os alterar.
Se assim for, deixo aqui a sugestão de renomear algumas ruas de Toulões, atribuindo-lhes nomes de insignes beneméritos desta povoação.
Poderia começar-se pela Rua do Chanesco. Não este que está aqui a escrever para nenhures, mas qualquer um dos que com as suas tchanesquices fez algo de merecedor para poder figurar nos anais da história dos Toulões.
Um grande abraço a Todos

quarta-feira, abril 2

9-2008: Sra do Almortão

A romaria da Senhora do Almurtão, fervorosamente celebrada pelas gentes do concelho de Idanha-A-Nova, era certamente, e continua a ser, a maior manifestação religiosa da Raia Perdida.
À capela, construída no sítio da Água Murta onde, segundo a lenda, "- Milagre! Milagre! - apareceu aos pastores uma linda e resplandecente imagem da Virgem em cima de um murtão (moita de murtas)" chegavam, nos dias de romaria, milhares de romeiros para, numa devoção matriarcal, assistir às celebrações eucarísticas em louvor da virgem padroeira do concelho e Lhe "dar as alvíssaras" com cantares ao toque do adufe, instrumento musical que é o símbolo máximo da tradição idanhense.
Em tempos passados, terminadas as celebrações religiosas, famílias inteiras partilhavam um farnel composto das mais variadas iguarias, preparadas atempadamente (galinha dourada, almôndegas e pastéis de bacalhau, ovos verdes e outras), bem regadas com tintol da região. De sombra em sombra dava-se a salvação aos amigos, provava-se-lhe o repasto e fazia-se a festa.
Era o extravasar de toda a alegria reprimida durante a vivência Quaresmal, terminada apenas 15 dias antes.
Promessas saldadas, fazia-se viagem de regresso a casa, cada qual à sua terra, conscientes do dever cumprido.

As alvíssaras com o acompanhamento dos acordeonistas Tónho Coto, ti Brás (do Salvador) e ti General. No bombo a Serraninha marca o compasso.



Mas os tempos mudaram.
Se o progresso encurtou a viagem, reduziu também a devoção.
Com melhores acessos e o automóvel, rios de gente desaguam na romaria da Senhora do Almortão, formando um mar fervilhante pelo recinto da festa. Mas a fé, de um modo geral, já não é a mesma.
Chega-se, dá-se uma volta pela feira, assiste-se à missa porque fica bem e, terminada a procissão, numa pressa, ruma-se a casa "a ver do almoço" ou mata-se a "malvada larica" numa das muitas barracas de comes e bebes, quais restaurantes improvisados.
Só os mais tradicionalistas, certamente mais devotos, ainda se mantêm fiéis ao piquenique à moda antiga, em cima da manta de arêlos que outrora, para além de servir de toalha, servia também para enfeitar a albarda do meio de transporte.
Hoje tudo é diferente.
Falta a sobriedade e o respeito.
Por estes valores que se impõem em qualquer local de culto, e aqui a Confraria, como organizadora do evento, tem a sua quota de responsabilidade, talvez não se devesse permitir o ambiente abarracado que hoje se apoderou da envolvência da festa, contaminando mesmo a capela, tão bem pintada com as palavras de Eugene Galateanu (Poeta Romeno).
Entende-se que as receitas originadas pelo aluguer de espaço aos feirantes deixam tolerar uma certa anarquia no "armar das tendas" dentro do recinto e fora dele. É só ver a parafernália de artigos espalhados pelas zonas de circulação a atrapalhar quem passa, ou mesmo a barulheira infernal dos muitos sistemas de amplificação sonora apelando ao consumismo, que às vezes têm de ser mandados calar pela autoridade, por interferirem com a solenidade da missa campal.


O que não se entende, é que se pense menos em quem visita o local, deixando-se transmitir ao visitante a sensação de negligência e de desleixo.
Mas como critérios são de quem os deixa, este é apenas um desabafo.

Estou em crer que a Senhora do Almortão, nem se importaria que o custo do valioso manto que lhe é oferecido ano a ano, ricamente trabalhado, uma vez por outra mais modesto, seja aplicado de forma a dignificar um pouco melhor este local, uma referência para tantos Raianos da Beira.

quinta-feira, março 20

8-2008: A Festa de Flores

A Semana Santa, que entremeia o Domingo de Ramos com a Festa de Flores, nome dado por aqui ao dia de Páscoa, talvez por este coincidir com a proximidade do equinócio da Primavera, é celebrada por todo o concelho de Idanha-a-Nova, com grande devoção.
Estas celebrações, tal como um pouco por todo o país católico, têm o ponto alto na Sexta-Feira de Paixão com a realização em muitas aldeias das procissões dos passos e do enterro do Senhor e depois no Sábado quando se fazem repicar os sinos a anunciar a Aleluia.
Destas celebrações sobressaem, de insólitas que se mostram, as do Ladoeiro e de Idanha-a-Nova.
No Ladoeiro, a denominada "Procissão dos Penitentes", realizada na Sexta-feira Santa, tem a particularidade de nela apenas poderem participar homens, razão pela qual é também conhecida "Procissão dos Homens".
As mulheres só assistem, de dentro de casa, espreitando furtivamente por entre as cortinas das janelas, com velas e candeias acesas.
Em Idanha realiza-se a festa dos apitos. Sábado de Aleluia, após o anúncio da Ressurreição de Cristo, toda a população, munida de apitos, se junta na Igreja para, de seguida, percorrer as ruas a vila numa marcha ruidosa que termina à porta de casa do padre. Esta tradição termina com o reverendo a lançar, da janela, uma arrebatina de amêndoas aos presentes.
As celebrações da Paixão em Toulões sempre foram muito simples. A merecer alguma nota, talvez seja uma particularidade da procissão dos passos.
Não havendo, como noutras terras, infraestruras a assinalar as estações da "Via Sacra", estas eram improvisadas com cadeiras enfeitadas com flores, panos de linho rendados e iluminadas com velas. Estes enfeites ornamentavam cada um dos 14 quadros representando uma cena da Paixão, colocados um por cada cadeira.
O esmero posto pelos fiéis de Toulões na sua elaboração, tornava cada uma das "instalações" expostas autênticas obras de arte.
Nesses tempos, se os dias que antecediam a Festa de Flores eram dos adultos, o Domingo de Páscoa era da canalha que, no entanto, tinha de respeitar pressupostos estabelecidos para o período compreendido entre o meio-dia de quinta e o meio-dia sexta-feira santas. Estando os trabalhos do campo proibidos nesse período, era recomendado aos garotos para não saírem dos trilhos dos caminhos nem caminharem às arrecuas. Na erva que os bordeja poderia estar escondido Jesus Cristo fugindo aos esbirros de Pilatos.
Andando de costas, dizia-se que se estava a trair Cristo, denunciando-O e ensinando o caminho aos que O levariam ao Calvário.
Mas uma das tradições que mais marcava os garotos era ida a casa dos padrinhos para pedir a bênção e receber o afolar.
Uma bica de azeite, e às vezes umas amêndoas e umas moedas, deixavam-nos relampantes de alegria. Comparavam-se afolares e ficava-se a saber que uns padrinhos eram mais ricos do que outros.
Votos de uma Páscoa feliz para todos!!!!

quarta-feira, março 5

7-2008: Fazer uma bola


Ainda a propósito da Lei do Tabaco, cuja aplicação, com rigor, parece ser tudo menos consensual.
É uma constatação que, para o Estado, o tabagismo sempre foi um problema pouco preocupante. Bem menos que a gestão dos impostos gerados pela comercialização do tabaco.
Durante anos a fio, mesmo já se sabendo que o tabaco era prejudicial à saúde, permitiu-se o incentivo ao seu consumo através de vários meios propagandísticos e, até, segundo alguns rumores, recorrendo à mais refinada hipocrisia que rege a política, nele era feita a adição intencional de substâncias causadoras do aumento da dependência.
Subitamente, sem a necessária preocupação com o desmame, foi posta em prática a proibição de fumar em tudo quanto é sítio, não se descortinando com que finalidade: se para proteger os fumadores passivos, se para diminuir o tabagismo nos activos e, consequentemente, reduzir os gastos com o tratamento da doença, ou se para agradar a algum lobi "bruxellois".
Seja como for, uma coisa é certa: o governo, numa louvável atitude de magnanimidade, propôs-se a ajudar todos os fumadores. Em simultâneo com a entrada em vigor da Lei do Tabaco, o Ministério da Saúde surpreendeu tudo e todos, ao decidir encerrar os postos de atendimento das urgências hospitalares um pouco por todo o país.
A decisão não podia ser mais acertada. Estou em crer que esta medida radical, que todos os grandes fumadores agradecem, foi a forma mais eficaz de ajudar os que mais sofrem com os malefícios do tabaco, a deixarem de fumar de uma vez por todas.
Mas em tudo isto há mãozinha da porca parideira da política, de cujos partos vêm a nascer os reticentes, os renitentes, os resistentes e outros indecentes inconvenientes. Estes, não conseguindo a força de vontade adequada para romper com o maquinal impulso de alimentar o vício, num acender de cigarro vêem o seu nome na lista dos proscritos pelas entidades empregadoras.
As pausas para ir à rua repor os níveis de nicotina no organismo e controlar a ansiedade provocada pela sua falta, passaram a constituir crime. Para os legisladores é mais um berbicacho envolto numa nuvem de fumo que, pretendendo-se resolvido pelo lado pedagógico, o mais provável é que siga também o caminho da coima.
O "tchupa que se apaga a deitar fumo ao ar e a semear piriscas na calçada, à hora de "fazer uma bola", a breve trecho, poderá também vir a ser reprimido.

"Fazer uma bola"?
"Fazer uma bola" é uma expressão utilizada pelas gentes de Toulões, significando uma pequena pausa para fumar na "hora do patrão".
Nascida no tempo em que a povoação fornecia matéria humana para desenvolver trabalho árduo nos muitos coitos existentes pelo termo, esta balda era naturalmente aceite pelos proprietários. A fazer jus às actuais pausas previstas (ou não), na recente lei laboral, que tanta celeuma tem provocado, faziam parte integrante dos acordos de trabalho apalavrados.
As bolas eram tantas quantas as combinadas, mas eram os capatazes que estipulavam o momento de paragem e o tempo que duravam (10 a 15 minutos), variando o critério segundo o capataz, fosse ou não fumador.
Durante a jorna, na altura de sol-a-sol, passou a constituir um direito adquirido, mas unicamente pelos fumadores. Quem não fumava não usufruia do direito à bola, pelo que, alguns trabalhadores, principalmente as mulheres a quem, por preconceito, estava vedado o direito de fumar, sentindo-se injustiçados pela desigualdade, fizeram ouvir as suas razões mas sem resultado.
Na realidade, e somando diariamente todos os tempos de pausa, quem fumava trabalhava menos hora e meia a duas horas que os restantes trabalhadores.
Só muito mais tarde, por uma questão de justiça, também para com os não fumadores, a evolução das mentalidades trazida pelos raios de sol de uma primavera de Abril, impôs a equidade entre homens e mulheres.
Posteriormente, "fazer uma bola", para além do seu significado de origem, passou também a constituir uma curta paragem para dessedentar o organismo desidratado pela arduosidade da labuta, ou simplesmente para uma bucha repositora de energia.

Como origem da expressão contavam-se várias teorias, mas a que parece mais plausível, é que relatava a história do ti Isidro Aleixo, aquando dum quinto nos Abegões.
Nos trabalhos do campo, principalmente na ceifa, em pleno verão, não se podia fumar. O risco de apichar fogo à seara merecia as mais apuradas atenções. Assim sendo, os ceifadores, (também chamados quinteiros), estavam autorizados a interromper a labuta para poderem matar o vício.
Ainda naquele tempo não se sabia o que eram cigarros enrolados mecanicamente (este foi um luxo que apareceu muito mais tarde). O tabaco vinha, avulso, em embalagens de onça, sendo enrolado numa mortalha de papel ao momento para ser fumado. À falta de tabaco, muitas das vezes faziam-se cigarros com barbas de milho, moía-se parra seca, e outras ervas, para matar o vício de boca… e não perder o direito à bola.
O ti Isidro era um fumador que não ganhava para tabaco.
-"Ele no o fuma, come-o!" - diziam, referindo-se ao facto de o homem, entre duas bolas, pôr o cigarro apagado nos beiços, a um canto da boca, fazendo-o bailar de um lado para o outro com a ponta da língua, desfazendo-se paulatinamente com a saliva.
Fazia cigarros enormes, mas atamancados. Tão grosseiros que pareciam bolas de embude; daquelas que se deitavam nas charcas da ribeira para entontecer os peixes e facilitar a sua apanha.
Todos se admiravam com aquela alarvidade que contrastava com arte de bem-fazer o cigarro. Antes de o acender, o fumador punha na sua feitura toda uma habilidade no depenicar do tabaco com a ponta dos dedos, autênticas pinças a escalpelizar nas entranhas da pataca, no espalhar, no humedecer com a língua a cola no bordo da mortalha, no enrolar o tabaco dando-lhe a forma e a consistência desejadas.
Era toda uma linguagem gestual que revelava muito mais do que a simples vontade de fumar. Este ambiente de velório ao cigarro culminava na precisão do gesto de petiscar a pederneira (mais tarde do espanhol isqueiro de torcida (mecha)) com que se iniciava o ritual de cremação do amortalhado.
O vício do Ti Isidro e seu modo desajeitado, não lhe permitiam contemplações. Tanto que, durante muito ano, chegada a hora da pausa para enrolar, e fumar, um cigarro, todos ganhavam jeito a chamar pelo companheiro de jeira:
- Ti Isidro, vamos cá a fazer uma bola!
E bola ficou até hoje!

quarta-feira, fevereiro 27

6-2008: 2 anos passados...

Eu tenho em casa uma arca

Eu tenho em casa uma arca
feita de ferro e madeira
onde guardo coisas velhas
guardadas de igual maneira
velhos bocados de trapo
restos de loiça e metal
coisas que têm bons cheiros
ou que talvez cheirem mal
mas que são testemunho
do que fui e do que sou
suporte ao peso da herança
da terra que me gerou
e toda a gente tem arcas
mas que não abrem a ninguém
pois não se diz nem se mostra
tudo aquilo que se tem
e só quando o homem velho
for o homem libertado
deixaremos de ter coisas
fechadas a cadeado.
Este poema, da autoria de MOITA MACEDO, dedico-o a todos os que têm a paciência de vir afuroar no meu Arcaz.
A Arca Velha nasceu do carinho que tenho pela minha terra e pela genuinidade das suas gentes, protagonistas destas estórias que fui aprendendo a contar, com a ajuda dos vossos ensinamentos, ao longo destes dois anos passados.
BEM HAJAS VÓS!!!

terça-feira, fevereiro 12

5-2008: Uma cacada na Quaresma


Talvez não já seja muito oportuno, em plena Quaresma, vir remexer nos restos mortais do mafarrico tchocalheiro, morto à meia noite de Terça-Feira-Gorda e enterrado com três pazadas à laia da podoa nas cinzas de Quarta-feira, reconduzidas na pilheirinha dos despejos.
Mas como é para enquadrar a estória deste post, fica escrito...

O período que antecedia esta longa quarentena, nalguns casos iniciado logo a seguir aos Reis, onde um pouco por todo o lado (Toulões, com a Vaca-Galhana a mandar - aqui e aqui - não fugia à regra) era, por natureza, um período de tropelias, provocação e abusos.
Consentindo ou não, cada um dos eleitos pelos Entrudos a ser atchocalhado, zurrado, tchorado ou alvo de umas valentes cacadas à porta de casa, tudo acontecendo a coberto de um anonimato pouco anónimo, com recurso a disfarces urdidos com o que estava à mão de semear ou à escuridão da noite, dependia da carantonha posta pelo visado durante os restantes dias do ano.
Por cá o lema era: "Quem tenha rabos de nagalho, não adormeça ao borralho".
Finda a folia, entra então a Quaresma: sinónimo de abstinência e jejum, de recolhimento e meditação, conceitos impeditivos de toda e qualquer manifestação, acto ou celebração, não condizentes com a o estipulado pelos cânones conciliares.
Estavam proibidos os bailes, os toques desgarrados à guitarra ou à concertina, a solo ou a acompanhar cantares, e até o toque do pífaro dos pastores. Estava também proibido ralhar, praguejar e deitar mau olhado a pessoas e animais.
Qualquer desvio da vereda trilhada por preconceituosos costumes, praticados pela santa ignorância daquelas almas, cujas mentalidades estavam reféns de crendices sobrenaturais e do hermetismo eclesiástico, transformava-se no temor de ser excomungado pela divina providência. Esse temor mantinha o respeito e todos, neste período, homens e mulheres, cumpriam à risca os preceitos estabelecidos.
O seu não cumprimento dava azo a que os santos do altar se revoltassem contra o pecador, condenando-o à lapidação pelo olhar reprovador do povo inteiro.
Pelo menos assim se pensava que era.
Uma vez, aconteceu em Toulões.
A Quaresma chegara, temporoa, com o Inverno ainda sem largar o gabão. O frio intenso que por aqui persistia, traspassando a telha vã das casas pobres, assolava a da ti Maria Cristóva, empontada na correnteza do quarteirão, ao cimo da rua que é hoje a de São José.
Pelas mesmas tchincadeiras que no verão lhe enchiam de zenitais réstias o ambiente sombrio da casa como a querer peneirar o sol, estrelando o chão térreo da habitação, entravam agora arrepiantes correntes de ar que um lume mortiço não conseguia debelar.
Desde que o marido, o ti André, fora levado na paz dos anjos para a Terra da Cadela, nunca mais tivera calor, nem de gente nem decente.
Deitava-se ainda de dia, mal acomodava as quatro pitas que pernoitavam num poleiro improvisado a um canto da casa. A noite passava-a encolhida, esmagada pelo peso de cinco ou seis mantas de arêlos, que nem aqueciam nem arrefeciam, mas moíam o corpo a uma pessoa.
O engenho aguçado da velhota levou-a a arranjar uma alternativa para aquecer os pés durante a noite. Pegou na prática exercida pela ti Mari Pinta, a vizinha, que enchia com água quente uma velha garrafa de porcelana, das da genebra, enfiava-a na manga de uma blusa sem préstimo e colocava-a por debaixo das mantas para temperar a friura da cama.
Aquela botija em grés, cor de terracota, que mais parecia uma pedra reboleira das que correm ribeiro abaixo com as enchentes, deu-lhe a ideia de aquecer um gorrão ao lume para fazer as mesmas vezes.
Aquecida a pedra em cima de umas trempes, com elas a transportou até ao quartelho onde dormia e a colocou, sem adornos, ao fundo da enxerga, cobrindo-a com cautela.
Claro está! Uma pedra praticamente incandescente, apanhando uma enxerga de palha moída, quase isca, é como apichar um rastilho a uma bomba rabia.
A imprevidência da velha Cristova originou que o fogo tomasse imediatamente conta do exíguo aposento.
Nem teve discernimento para abafar a ala com as mantas. A sua única reacção foi salvar a imagem imaculada de nossa senhora de Fátima, que lhe dormia à cabeceira enganando a solidão e zelando pela bênção daquele lar e sair numa pressa desengonçada, limitada pela curvatura da acentuada espandilose que a vergava.
Aos gritos por um Deus-me-acuda, abraçando e apertando a santinha contra o peito, saiu com ela porta fora a clamar por socorro.
Nem foi necessário tocar a rebate. O espírito de entreajuda da vizinhança rapidamente acudiu em peso para, num pronto, afogar a tragédia com cântaros e caldeiros de água.
Feito o rescaldo e remediado o estrago, ao outro dia, chega a Rosa Manjarica da fonte com um asado à cabeça, para ali deixar a água ao que desse e viesse.
Apondo-se a transpor a entrada de casa, embateu com o bocal do asado na tosse da porta e este, desamparadamente, estchabaçou-se em mil cacos na pedra da soleira.
A água, perder-se foi o menos; ao asado é que nem o feitio se lhe aproveitou.
Este descuido não podia ter acontecido em pior altura.
A Lhanor (Leonor) Raspa, rival de estimação da Rosa Manjarica por antigos desaguisados com namoricos, chegava no momento com a burra de arrédea, com dois molhos de lenha nas ingarelas, um dos quais para descarregar à porta da ti Maria. Por caridade ia arranjando uns chamiços à velhota, que já não podia ir por eles, para acender o lume.
Aquele monte de cacos à porta não escapou ao espírito de crítica da Lhanor, sempre à coca de uma oportunidade para largar uma laracha:
- Cónho?! Atão é Curesma e ainda andais a dêter cacadas?
A Rosa, que dias antes perdera o humor por uma tchoradela de Entrudo lhe ter desarranjado o namoro da filha com o Tchico da Garruça, desentendida ou por entender, não quis dar fé do gracejo.
Apesar de andar sempre a bater com a mão no peito e a estender a língua à hóstia, não hesitou em retalhar a conversa. Diziam as más línguas, que a dela era mais afiada que a matadeira do ti Zé Cochinho.
- Nós dêtemos cacadas e tu apanhaste os cacos lá no meio do milho c’ o Tónho Fàdista!
Bem!... Como isto do ralhar e do rezar é só para quem tem vagar, a coisa embalou e prolongou-se.
Cada uma desfiou o seu rosário de impropérios e insultos com que roga pragas ao gado desobediente e a coisa descambou para o lado do ralho desfraldado… e lá vieram os alhos e as cebolas, com rama e tudo.
Um branquear de sacrilégios!
Chegando as duas mulheres a vias de facto, com arranhões, arrepelões e roupa rasgada, interveio a boa-vontade apaziguadora da ti Mari Costóva a tentar apartá-las, exibindo à porta a imagem da virgem de Fátima benzida pelo padre António e rogando em voz alta ao Divino Senhor, que pusesse cobro àquele vilipendiar dos predicados da Quaresma.
Mas o impensável aconteceu!
No calor aceso do lavarinto, um encontrão descontrolado de uma das beligerantes fez com que a velhota deixasse cair a Virgem, indo fazer companhia ao asado escavacado de fresco. Não tinha o palmo e meio de estatueta chegado ao chão, a ti Maria leva as mãos à cabeça, temendo pela justiça divina. Já não bastava o castigo calhado em sorte por lhe ter ardido a casa, ainda teria de sofrer as sevícias infligidas pelo escárnio popular.
O quebrar da venerada imagem gerou um grito de dor e desespero, que congelou a refrega.
Subitamente, o silêncio imperou.
- Abençoada cacada que devolveu a ordem à Quaresma!

quinta-feira, janeiro 31

4-2008: Dá que pensar!


Um estudo elaborado pelo Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social da Universidade da Beira Interior, surgido há dias na imprensa, estabelece o ranking de todos os concelhos do país, avaliando-os pelo IQV (Índice de Qualidade de Vida) de cada um deles.
Esta avaliação é baseada em múltiplos factores como sejam: a educação e mercado de emprego, as infra-estruturas, o ambiente económico e habitacional, o nível de criminalidade, a intensidade de tráfego e muitos outros, que englobam diversos aspectos ligados à satisfação das necessidades humanas básicas.

Dessa extensa lista de 278 concelhos classificados por IQV, nos 20 lugares com mais baixo índice, 7 pertencem à Beira Interior.
Um
é no distrito de Coimbra
275º - Pampilhosa da Serra - 13,69
Dois
são no distrito de Castelo Branco

262º- Idanha-a-Nova - 30,16,
270º - Penamacor - 21,89,
Quatro
no distrito da Guarda

260º - Figueira de Castelo Rodrigo - 31,71,
268º - Vila Nova de Foz Côa - 25,09,
273º - Aguiar da Beira - 14,97,
278º - Sabugal - 5,29 (último da lista)
- - - x x x x x - - -

Quando os leigos na matéria, como é o meu caso, concebem como conceito de boa qualidade de vida nas pequenas povoações, o privilégio de usufruir de um ambiente calmo, sem "stress", de contactar directamente com a natureza, fazer uma alimentação saudável com produtos biológicos, ter infra-estruturas mínimas de saúde e lazer, fica-se a saber que a qualidade de vida nas aldeias está cheia de imponderáveis.
Lembrando o vento da desertificação que há anos assola esta região, e levou para outras paragens os filhos por aqui nascidos e por aqui criados, sabe-se lá com que dificuldades, foi para muitos o vento da mudança. Esse mesmo vento devolveu às origens alguns menos resistentes ao sopro de saudade, para aqui passarem o resto dos seus dias, usufruindo de algum bem-estar conseguido subindo a pulso a corda da vida.

Agora, dizem eles, regressaram à aldeia para gozar de uma melhor qualidade de vida.
Será que têm razão?
Nota:

Da referida lista, os primeiros 10 lugares são ocupados, por esta ordem, pelas seguintes localidades:

1º - Lisboa - 205,07
2º - Albufeira - 181,04
3º - São João da Madeira - 168,57
4º - Porto - 161,05
5º - Sintra - 158,73
6º - Lagos - 158,51
7º - Cascais - 148,57
8º - Lagoa - 143,95
9º - Vila Franca de Xira - 142,82.
10º - Aveiro 142,81

Fonte: Jornal do Fundão (edição impressa)

terça-feira, janeiro 22

3-2008: Puro Raiano

Folha do tabaco na fase de secagem em estufa
- Coito das Areias (Zebreira / Idanha-a-Nova) -


Com a entrada em vigor da nova Lei do Tabaco, a ASAE virou definitivamente a marca da moda.
A sua, cada vez maior, visibilidade é ganha pelo protagonismo assumido em fazer a todo o custo cumprir a dita lei que, tal como outras anteriores, parece ter sido apressadamente despachada para fugir à ameaça de tsunami, provocada pelas ondas de choque originadas pela descarga da concentração aerofágica, acumulada por um grande da Europa incessantemente forçado a um doloroso deglutir em seco, engasgado com a instabilidade bolsista.
Naturalmente, quando as calamidades acontecem, é sempre o mexilhão que sofre piores danos colaterais, mas, com a ASAE vigilante, aparece sempre no momento oportuno uma mão amiga para dar uma palmada de reconforto, vincando a sua marca com o rigoroso cumprimento da lei.
Veja-se o que tem vindo a acontecer por toda esta Raia com os produtos regionais: enchidos, queijos, vinhos, azeite, doces e toda uma panóplia de sabores e saberes tradicionais cobertos pela poeira da história, que agora é preciso limpar em nome da modernização. Até a matança do porco, símbolo da união entre familiares e vizinhos, exemplo do espírito de entreajuda, está já amarrada ao banco para ser sentenciada.
Todas estas actividades já estão etiquetadas com a marca da ASAE, inclusivamente alguns cafés de aldeia já têm também a publicidade selada na porta, sinal da sua implacável intervenção.
Depois de provado que FUMAR MATA, pois claro, proíbe-se o fumeiro.
Agora chegou a vez do tabaco. Sempre pensei que a fiscalização fosse incidir sobre o contrabando, mas não: foi sobre o consumo e o consumidor, para desgraça dos agricultores idanhenses.A ameaça já pairava no ar desde 2005, quando a EU impôs o corte nos apoios ao cultivo do tabaco em Portugal. A sua produção, que se previa poder chegar até 2010, foi subitamente abandonada no ano passado e, claro está, a campina de Idanha-a-Nova, da qual saíam cerca de 65% da produção nacional na variedade Virgínia, ressentiu-se disso ao ser abrangida por esta medida.
Este abandono trouxe graves implicações sociais à vida agrícola por, no imediato, não ter sido dada alternativa (tudo aponta para a produção de bio-combustíveis, mas pelos vistos os estudos/projectos de viabilidade estão em combustão lenta) o que provoca revolta dos pequenos produtores que ficam de braços cruzados a verem o tabaco consumido, a ser importado.
"Pelo menos, mesmo que inconscientemente acontecesse, já não nos podem culpar da morte prematura de tantos portugueses" – dizem.
O abandono do cultivo do tabaco não implica o automático abandono do vício (ou do prazer) de fumar. Aproveitando a produção que ainda resiste, sem subsídios, e aproveitando a grande reputação de que goza a marca ASAE por todo o país, a ARBI (Associação de Regantes e Beneficiários de Idanha) e a APT (Associação dos Produtores de Tabaco) bem poderiam encetar negociações com o principal representante desta reputada marca (grande apreciador de cigarrilhas), propondo uma parceria para a instalação na campina de Idanha de uma unidade de produção de cigarrilhas e charutos, capaz de competir com as mais famosas marcas cubanas.
Num estudo de mercado elaborado após a promulgação de Lei do Tabaco, concluiu-se que esta forma de apresentação das folhas da planta Nicotina Tabacum, é a que mais probabilidades tem para singrar junto da restrita camada de consumidores, frequentadores dos locais contemplados na excepção à Lei que se adivinha estar para breve.
De futuro, se alguém se abeirar de si e lhe oferecer uma flor de tabaco, ouvirá certamente:
- Vai um puro Raiano ... um ASAE?

quinta-feira, janeiro 17

quarta-feira, janeiro 2

1-2008: Tratado novo, vida nova

Aldeia fronteiriça de SEGURA (Idanha-a-Nova), vista da ponte internacional sobre o rio Erges. No Império Romano, esta ponte estava inserida na estrada que servia de ligação entre Mérida e Braga.
O ano de 2007 acabou como acabou!
Bem ou mal, só o tempo dirá se o Tratado Europeu, nascido em Lisboa, nos trouxe benefícios assinaláveis ou se, como de costume, graças à habilidade portuguesa em negociar, nos temos de contentar com promessas de prosperidade para o futuro.
Mas isso fica para depois!
O que interessa agora é que, feito o registo de nascimento do Tratado Reformador, Portugal no exercício da presidência da EU batalhou para que o seu baptizado fosse celebrado em simultâneo, conseguindo-o in extremis.
Numa pomposa cerimónia (chamaram-lhe cimeira), com a presença de toda a família europeísta a testemunhar o acto, foi-lhe então atribuída a graça da nossa bela cidade de Lisbonne, capital de "ce petit pays" plantado na extrema ocidental do velho continente. Esta peculiaridade, considerada pelo poeta a fronteira onde a terra acaba e o mar começa, deixa nos europeus menos conhecedores da nossa história (e nada interessados nela), a convicção de que nem somos carne nem somos peixe.
Para estes, o local de onde saíram homens destemidos, que se aventuraram por mares nunca dantes navegados, em viagens que à escala da época corresponderiam às viagens espaciais de hoje, trazendo notícias do achamento de novos mundos que tornaram Portugal maior, não passa de um pequeno país de emigrantes e pescadores de bacalhau, marinheiros que nunca meteram calado a romper por águas para além da Trafaria.
Este esforço, feito para que tudo corresse de feição, viu-se recompensado. Portugal foi colocado na prateleira da história da EU, pelo feito de ter conseguido reunir 27 países pertencentes à família europeia em redor de um projecto comum: o tradicional retrato de família.
É, em sentido lato, aquilo a que podemos chamar: trabalhar para o boneco.
São momentos como este, descurando a divulgação do documento às populações, a única parte que importa registar.
Para assinalar o evento, foi oferecido a cada um dos membros mais chegados desta grande família uma caneta em prata de lei, para assinar, e legitimar, uma reforma que garante a nossa incapacidade reivindicativa e a consequente precariedade da nossa economia, assim como o corte nos investimentos em projectos para desenvolvimento das zonas mais desfavorecidas do nosso Interior, em detrimento de países menos necessitados ou menos periféricos e com menos capacidade negocial que a portuguesa.
Também, pela nossa reconhecida hospitalidade, e por ser Natal, foi oferecido a cada um de nós um alicate obliterador dourado, para fazer mais um furo no cinto de cada vez que formos chamados a realizar um esforço suplementar e, assim, poder aguentar a carestia de vida.
E a generosidade não acabou por aqui!
Com a decisão de ratificar parlamentarmente o documento, fomos poupados à enfadonha tarefa de ter de nos pronunciar sobre o assunto. Efectivamente, essa coisa de ter de ir às urnas, a um domingo, ainda por cima sempre na incerteza em saber de que lado está o gume do voto, que deixa em nós a frustrante sensação de, consecutivamente, ficarmos entalados entre o voto e a parede, é uma chatice.

- Tratado novo, vida nova. O baptizado foi giro, pá. ?
- "Porreiro, pá!, o Tratado de Lisboa ficará na História por abrir novos caminhos no ideal europeu!" 
O pior é que, terminado o fogo de artifício e apagadas a luzes -"calabaça, calabaça, cada qual p´ra sua casa" - Portugal ficou de novo sozinho em Lisboa, entregue a si próprio, a limpar os restos da festa e a arrumar a casa.
Aos Raianos, resta-nos a consolação de a Europa ser aqui ao lado. Facilmente podemos lá ir comprar, por bom dinheiro, os sonhos daqui levados por umas cascas de alhos.
Basta tão só arregaçar as calças e atravessar a Ribeira Espanhola (Rio Erges), com a vantagem de nem sequer ser preciso passar a salto, como fizeram muitos dos que de cá partiram à sua conquista em finais da década de 50.

Com o 1º post deste ano quero desejar a todos um BOM ANO 2008