quarta-feira, julho 18

17-2007: A lenda de TOULÕES

O texto de hoje (transcrição integral) é da autoria do Dr. Jaime Lopes Dias, estudioso das nossas tradições e escritor erudito, que o publicou no 1º dos 11 volumes que compõem a sua obra Etnografia da Beira.
Conta-nos uma lenda sobre Toulões, que remonta aos primórdios da formação da localidade e deu origem à ainda hoje celebrada festa de Santo António.


SANTO ANTÓNIO E O LÔBO BRANCO
A ânsia de maiores rendimentos e a necessidade de melhor aproveitamento dos extensos incultos de entre Zebreira e Alcafozes, levaram alguns moradores desta última povoação - a que se juntaram outros de Monsanto e de Idanha-a-Velha - a fixar-se, no comêço do século XIX, a sudoeste da Serra da Monracha, junto da ribeira da Toula.
Surgiram as primeiras cabanas de colmo, constituiu-se o primeiro núcleo de povoadores a que vieram associar-se outros de Idanha-a-Nova, Salvaterra do Extremo e Zebreira, por forma que Toulões tinha já em 1840 mais de quarenta fogos.
Apascentando os seus rebanhos, cultivando as terras de Malhadiz foreiras do município de Monsanto, a vida, embora dura, corria-lhes em boa paz.
Em presença de extensos matagais que o duro trabalho de cada dia não chegava para desbravar, todos, homens e mulheres, velhos e crianças tinham o seu mester.
Enquanto os homens acompanhavam, rêgo a rêgo, as juntas de bois no revoltear do terreno, ou levantavam, de sol a sol, o pesado enchadão, as mulheres entregavam-se aos serviços domésticos, à sacha e à monda nos campos, e as crianças à guarda dos rebanhos.
E mal o sol despontava, lá iam todos, diariamente campo em fora, cada qual à sua ocupação.
No lar de uma das pobres choupanas, preparada já a ceia e reünidos os familiares, faltou certo dia o mais tenro dos pequeninos.
Debalde esperaram os seus, por largos minutos, o regresso.
Divulgada a notícia pela povoação, todos os moradores, núcleo de bons vizinhos, onde os desgostos como a alegria de um são desgostos ou alegria de todos, pressentindo desgraça, correram à porfia, montes e vales, a gritar e a clamar inutilmente pelo infeliz desaparecido.
Passaram dias, correram meses, e novas crianças faltaram.
Inùtilmente procuravam aquelas almas aflitas, na simplicidade dos seus conceitos razão justificativa de tão grande desgraça!
Os mais velhos, baseados na velha crença de que lôbo que uma vez se alimente de carne humana passa a atacar e procurar o homem, atribuíam àquelas feras a sua dor, o seu luto.
Toulões passava dias aflitivos.
Um grupo de homens bons, seguros na sua fé, resolveu tomar a iniciativa duma festa a Santo António, advogado das coisas perdidas e patrono dos vivos, para que os livrasse de tão grande dano.
A festa realizou-se, efectivamente, com o maior luzimento, e desde então, aquêle pequenino povo, escudado na sua devoção pelo santo, passou a viver confiante, sem maiores receios. Desaparecera a origem dos seus sobressaltos e da sua dor.
Dificuldades monetárias que surgiram, ou desleixo que o nosso povo costuma bem traduzir nas palavras «só lembra Santa Bárbara quando faz trovões», deixaram que a festa caísse em desuso.
Passaram dias, anos, e quando todos se julgavam em boa paz e segurança, Jerónimo Manso, de poucos anos de idade, que apascentava o gado de seus pais, foi súbita e inesperadamente atacado por um lôbo de côr pardacenta com uma malha branca no abdómen. Às garras da fera teria perecido se lavradores que próximo andavam não tivessem acudido com rapidez aos gritos aflitivos do pequeno.
Ao pobrezinho pôde ainda a fera roubar um pedaço de couro cabeludo, pelo que teve de usar, durante tôda a sua vida, que foi comprida, um pedaço de cabaça das de trepar, para proteger a parte desnudada.
Estava o povo de TouIões reentrado em amargurados dias de desassossêgo e intranqüilidade!
Era preciso dar caça à fera, empregar os últimos esforços para que, de uma vez, se limpasse o lugar daquela peste.
Exímios caçadores percorreram as redondezas. Viram o lôbo, chegaram mesmo a atirar-lhe.
Voltar a cumprir a promessa feita a Santo António era dever de boa gratidão, remédio certo, no crença e fé de TouIões.
E a festa. embora à custa de sacrifícios, ressuscitou.
Veio a música, e à missa, que foi a grande instrumental e com tôda a pompa, acorreu todo o povo debaixo da mais funda impressão. E quando todos se preparavam para fazer sair a procissão: pendões já no ar, insígnias multicolores de confrarias a dar nota garrida, alguém veio dizer que o lôbo fôra encontrado morto no campo.
Muitos correram a certificar-se da veracidade da boa nova. Hossanas a Santo António! A fera estava efectivamente morta! Lágrimas de dor, mas lágrimas de alegria! Santo António, que era já Santo, passava a ser, mais do que nunca, protector de Toulões e advogado das coisas perdidas!
E a fé que revolve montanhas, a fé santa e pura que salva e redime, passou a ser mais sólida e mais vigorosa do que nunca entre os incansáveis e bons vizinhos da Toula: os toulões.



A FESTA ESTÁ À PORTA, O PROGRAMA VEM A SEGUIR!

7 comentários:

nabisk disse...

Como todas as lendas, esta tambem tem o seu mistério.

little_blue_sheep disse...

:)

asn disse...

As lendas gizadas à volta das nossas terras são das coisas mais lindas que imaginar possamos.
Esta é muito típica e em que a imaginação associada a tempos idos junta contos a contos ouvidos e transmitidos de geração em geração. Digo eu.
A simbologia heráldica também é um tema aliciante. Pena que nalguns casos, são engendrados por encomenda a "peritos" e o resultado pode ser catastrófico. É o caso de Leiria, cidade. Ando às voltas com a explicação rigorosa de cada elemento componente do conjunto de símbolos e as coisas não estão claras. Nem sequer existe uma monografia completa e justificativa, havendo algumas dúvidas, que ficam ao critério de quem observar e estudar as estórias e a história de Leiria.
Uma abraço
António

Eddy Nelson disse...

O s. António é admirável!

um abraço raiano

bettips disse...

Umas horitas dedicadas à natura e cá venho! Dar abraço e gostar de mais e mais saber. Fica bem, lá por essas terras de cheiro doce.

Tozé Franco disse...

Ora aqui está uma lenda onde entra o meu santo favorito.
Não sei porquê mas o nome António diz-me alguma coisa.
Um abraço e boa festa.

leonoreta disse...

ola. suponho que touloes seja a tua terra. em tempo criei uma página para colocar noticias de cariz cultural de portugal inteiro. para isso preciso da participaçao de outras pessoas que publiquem noticias destas que publicas.

o site é este para o caso de quereres por la alguma coisa. seria interessante

http://groups.msn.com/CulturalMente

beijinhos