quinta-feira, agosto 30

20-2007: A festa, que futuro?

Lá passou a festa!
Mais animada para uns, menos animada para outros, (é que nisto das festas é sempre difícil agradar a Deus e ao Diabo), mas honra seja feita às miúdas da Comissão 2007 que, com esforço e o apoio de familiares e amigos, cumpriram a divisa de dar continuidade à tradição e, pelo que me foi dado a perceber, o balanço foi francamente positivo.
Mas tão importante como os festejos propriamente ditos é a habitual "vinda à festa", sempre motivo para encontros e reencontros com amigos e, curiosamente, com os filhos dos amigos; a nova geração de mocidade que nasceu fora e não conhecemos por a não ter visto crescer.
Da miudagem dos 18/20 anos para baixo já não se conhece ninguém. A alguns, pelas parecenças, ainda se lhe deslinda a "linhagem", são a cara ingerida dos progenitores, mas a outros?, não há contorcionismo mental que lhes consiga encarrelher com a genealogia.
No reencontro, mais ou menos cíclico, entre velhas amizades consolidadas na juventude pela partilha de experiências e cumplicidades, alegrias e tristezas, questiona-se o futuro da aldeia e a continuação da festa, vindo à liça comparações com o passado.
São amizades do tempo em que a estudantada se juntava aqui, vinda de todo o lado, para passar as férias escolares. Apanhava a carreira logo após terminadas as aulas e aqui ficava um Verão inteiro até dois ou três dias antes do recomeço das mesmas.
Conjuntamente com os "Franceses" que vinham passar as "vacanças" e a malta que por cá permanecia, na expectativa de agarrar uma oportunidade para se atirar ao mundo, tal como os pássaros na borda do ninho, esperando pelo momento de se sentirem seguros e se lançarem no vazio, experimentando a triunfal sensação do primeiro voo, a "rapaziada do mê tempo" unia-se e havia festa todos os dias.
Mas com o aproximar do dia da mais esperada, a de Santo António, a agitação aumentava.
Di-lo ia o ti Cavalinho, quando uma buliçosa chusma, aos magotes, lhe invadia a taberna: "Ca rai de joldra vem a ser esta, atão pariu p’ra aí a galega, ô quêi?"
Toulões era um mar de gente.
É um facto que o futuro dos jovens, os tais que já não conhecemos, não passa por aqui. Para eles a terra é menos convidativa e até desinteressante. Já não passam cá o Verão. Vêm à Festa, de fugida, já queimados pelo sol da beira mar, quase só para não desapontar a família, que por devoção se reune toda neste dia.
Mas, apesar de tudo, visto o entusiasmo ainda manifestado por alguns mais optimistas, estou em crer que, a exemplo das miúdas que este ano a organizaram, à nova geração, apesar de cá não ter criado raízes, talvez lhe venham a rebentar umas vergônteas, boas pôlas que hão-de aqui pegar de estaca, não deixando morrer a tradição do "vir à Festa".

7 comentários:

That's me disse...

Como sempre, belo texto a retratar um costume! Gostei de ler algumas das palavras que só oiço em Toulões. Passei por aqui para ver as novidades e desejar -vos bom trabalho porque cá eu ... vou de férias !!!! Beijocas e até daqui a quinze dias.

Meg disse...

Ó Chanesco, voltaste!
E que bom ler-te. Porque as tuas palavras têm sabor, têm cor.
E eu que costumo dizer aquilo da "galega" quando há muita confusão....ehehehe!!!
Realidades que todos conhecemos mas que contadas por ti, trazem uma carga bem característica.
É como se entrássemos no "filme". Eu sinto-me "lá".
Beijos

al cardoso disse...

Faco sinceros votos que nao!

Um abraco do d'Algodres.

Barão da Tróia II disse...

Gosto dessas festas assim, tenho pena que na minha terra isso se tenha perdido, boa semana

nabisk disse...

O amigo Chanesco rouba-nos os pensamentos.A minha aldeia é um caso identico.É pena, mas é a pura realidade. quaquer dia saímos daqui,vamos até lá e... aonde param as coisas que lá temos?
Sim, depois das festas a grande maioria arranca logo. Até os poucos que lá vivem,e com todo o direito,também vão para fora passar férias. Eu passei lá o mês de Agosto todo, e os ultimos quinze dias era dificil arranjar companhia para beber um copo.
Esperemos por melhores dias.
Um abraço
nabisk

proencal disse...

Pois é caro Chanesco, pedindo desculpa ao poeta pela deturpação:
“Este parte, aquele parte
e todos todos se vão
raia ficas sem homens
que possam fazer tuas festas”


Cá vamos tentando remar contra a maré… esperando por melhores dias
Um grande abraço
Proencal

MPS disse...

Caro Chanesco...

acredite que eu rezo ao mesmo santo, pela mesma devoção!

Um abraço