segunda-feira, maio 11

8-2009: Fátima

Casa da Ti Flávia (adro)
Levas e levas de peregrinos em direcção a Fátima. E estrebuchem no papel os livres pensadores. Se não há sobrenatural, como eles afirmam, há pelo menos transcendência. Elêusis, Delfos, Meca, Compostela, Lourdes e outros locais onde o céu e a terra se confundem são a mesma Cova da Iria renovada no tempo. O ar miraculoso que ali se respira, mesmo que fraudulento, vem ao encontro de aparências recônditas do nosso subconsciente. O homem é um crédulo envergonhado quando tem de acreditar sozinho. Mas, se encontra companheiros de fé, desafia todas as críticas e absurdos. Apoiado no número, desinibido, faz de chavascais lugares santos, que visita sempre que pode, carregado das suas atribulações. E, em procissão, vai-as alijando pelo caminho, até que, despojado de todas as gangas mundanais, tem acesso disponível às nascentes sagradas que, parecendo manar do chão bendito que pisa, lhe brotam de dentro da própria alma.

Coimbra, 12 de Maio de 1975

MIGUEL TORGA, "Diário XII "

4 comentários:

Isamar disse...

O inconfundível amigo transmontano que muito tem a ver com as minhas serranias.Lê-lo é uma paixão que me vem da pré-adolescência e que o tempo não desvanece.
" O homem é um crédulo envergonhado quando tem de acreditar sozinho. Mas se encontra companheiros de fé, desafia todas as críticas e absurdos."
Tão verdadeiro!

Um abraço amigo

ManuelNeves disse...

Viva!

Perante este excelente texto de Torga, tudo o que possa comentar é tão pequenino, que até o meu cepticismo em relação as estas coisas do transcendente, fica abalado.

Um Abraço

MPS disse...

Meu caro Chanesco

Obrigada por ter trazido Torga até Toulões. Outras raias. Serão, mesmo, outras?

Eu recuo no tempo ainda mais do que Torga: desde as cavernas belamente pintadas que a transcendência impregna a vida humana. Os livres pensadores estrebuchem à vontade. É lá com eles.

Um grande abraço

Eddy Nelson disse...

amigo chanesco,

há muito que não lia Torga..vou regressar aos "Diários". apetece, é uma fonte que jorra agua fresca...

um abraço